1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Putin defende apoio militar da Rússia ao regime sírio

Presidente russo reafirma que "Estado Islâmico" (EI) não pode ser derrotado sem cooperação com Damasco. Enviar tropas à Síria está entre as "várias opções" sendo consideradas por Moscou, afirma.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, reafirmou nesta terça-feira (15/09) a intenção de Moscou de ajudar militarmente o regime sírio, apesar da desaprovação do Ocidente. Ele afirmou que a organização terrorista do "Estado Islâmico" (EI) não pode ser derrotada sem que haja cooperação com Damasco.

Putin também pediu que outros países a sigam o exemplo da Rússia, oferecendo apoio militar ao governo do presidente da Síria, Bashar al-Assad. Em discurso realizado numa reunião de ex-chefes soviéticos no Tadjiquistão, o presidente russo afirmou que, sem "uma participação ativa das autoridades sírias e dos militares, seria impossível expulsar os terroristas do país e da região como um todo".

Os comentários de Putin foram feitos em meio a recentes relatos da imprensa sugerindo que a Rússia está aumentando sua influência militar na Síria e planejou a criação de uma base aérea na província costeira de Lataquia. Washington e Otan manifestaram preocupação sobre os relatos.

Moscou negou que tenha fechado qualquer outro comprometimento militar com Damasco, enquanto Putin sugeriu que a perspectiva de tropas russas no solo sírio é uma das "várias opções" sendo consideradas. Putin afirmou que Assad está pronto para instigar reformas políticas e envolver uma "parte saudável da oposição", apesar de o Ocidente exigir a renúncia do presidente sírio.

Moscou tem apoiado firmemente Assad ao longo da guerra civil na Síria, que já dura quatro anos, protegendo-o de sanções das Nações Unidas e fornecendo armas, apesar da condenação internacional.

O Kremlin tem pressionado por uma coalizão mais ampla de forças internacionais para combater o EI, mas outros países do Oriente Médio – incluindo a Arábia Saudita – descartaram lutar ao lado de Assad.

Putin desmentiu alegações de que o apoio da Rússia para Assad provocou um fluxo de milhões de refugiados para os países vizinhos da Síria e à Europa. Ele afirmou que, sem o apoio russo, o número de migrantes em direção à União Europeia (UE) teria sido muito maior.

"As pessoas estão fugindo da Síria principalmente para escapar da luta que tem sido alimentada a partir do exterior com o fornecimento de armas e equipamentos. Elas estão fugindo para escapar das atrocidades terroristas", acrescentou.

O conflito sírio começou com manifestações contra o governo, em março de 2011, e rapidamente se transformou numa guerra civil, que já deixou aproximadamente 250 mil mortos.

PV/afp/ap

Leia mais