1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Punks alemães radicalizam com Jesus

Sid Vicious deve estar tremendo no túmulo. No “Festival Freakstock”, em Gotha, na Alemanha, acontece o inacreditável: bandas punk cristãs, com direito a cabelos coloridos e muito piercing, declaram seu amor à religião.

default

O punk nosso de cada dia, nos dai hoje...

Eles definitivamente não ouvem Sex Pistols. Embora tenham o mesmo layout de qualquer outro punk – cabelos verdes ou azuis, roupas de couro, cabelos arrepiados, tatuagem e muito piercing – os punks de Jesus se ocupam de uma tarefa inusitada: rezar.

Cerca de cinco mil "jovens punks cristãos" estão reunidos desde a quinta-feira (1/8) no Festival Freakstock, em uma pequena cidade da Turíngia, no interior da Alemanha. Organizado pelos "defensores de Jesus", o evento, que termina no domingo (4/8) é voltado para aqueles que "oram sempre que têm vontade".

Os punks de Cristo vão com suas guitarras até à missa, que no seu linguajar recebe o nome de "Noitada do Ócio". Orgulhosos, eles se autodenominam "os maiores bundões" e oram de forma um tanto quanto extraordinária: "Espírito Santo. É um tesão que você tenha vindo. Jesus, obrigado por ter cumprido a sua promessa. Por ter dito – eu vou embora, mas envio o consolo para vocês."

Fissurados pelo Evangelho – A banda Wooden Cross tornou-se até mesmo especialista em "música punk cristã". Seus fãs, apesar do visual desleixado, diferenciam-se pelos dizeres na blusa: "Jesus Terror Force". Os punks religiosos organizam workshops, com o objetivo de esclarecer a novos adeptos a linha do grupo. O lema maior é: "Nós somos uma turma". E uma turma com uma determinada incumbência: a de propagar o Evangelho "do jeito que a gente tiver vontade, entre os que são como a gente".

Jesus Cristo, segundo os punks religiosos, seria hoje cool – um punk ou um hippie. Ele não iria fazer parte do sistema. "Se vivesse hoje, com certeza não iria tocar órgão, mas guitarra", acredita o punk Cookie, de Hamburgo. Com seus 28 anos, Cookie é uma espécie de emblema dos punks cristãos, o vovô da turma. Ele fez parte de um pequeno grupo que, há dez anos atrás, tomou a decisão: "Queremos viver radicalmente com Jesus." Hoje, os punks de Jesus contam com cerca de cinco mil adeptos. Além da Alemanha, o movimento se espalha pela Dinamarca, Suíça e Polônia.

Ser radical, como para qualquer punk, é o mais importante para o grupo. Radical em relação à música e ao visual, mas principalmente em relação à crença religiosa. Sexo antes do casamento, por exemplo, é tabu. A bíblia é entendida no sentido literal, sem interpretação de qualquer simbologia. Assim, eles acreditam piamente que o mundo foi criado em sete dias, que Adão foi a primeira criatura e que o homossexualismo é um pecado. "Deus criou no começo Adão e Eva e não Adão e Adão. Se não, não existiriam crianças", dispara Cookie.

Fundamentalismo – Os punks de Jesus pregam a tolerância, "porque assim está na bíblia", mas ao mesmo tempo isolam-se do resto da sociedade. Segundo Bernd Schäfer, delegado da Igreja Luterana: "É como em qualquer tipo de fundamentalismo. Reage-se a um mundo complexo, reduzindo-o a um esquema em preto-e-branco, para que se possa entendê-lo e controlá-lo."

A aversão ao sistema é também algo que costuma desaparecer entre os punks cristãos. Stefan, por exemplo, era antes um militante de esquerda. Como outros jovens, bebia bastante: "No começo, ainda era assim: a gente festejava a ceia com muita cerveja e acabava caído no chão, completamente bêbado."

Agora, vários dos adeptos pararam de se embebedar, jogaram seus cigarros fora e queimaram suas coleções de CDs. "Isso é que é ser radical", completa orgulhoso Stefan, que nem deve mais saber quem foram Sid & Nancy.

Links externos