1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Provedor T-Online aposta em tevê na Internet

Graças à técnica de banda larga DSL, a T-Online, subsidiária da Deutsche Telekom, pretende entrar numa nova era de negócios. Nos últimos anos, ela teve altos prejuízos.

default

As ações da T-Online foram lançadas em 17.04.2000 na Bolsa de Frankfurt

A T-Online alemã, o maior provedor europeu de Internet, pretende sair dos números vermelhos, este ano, graças ao acesso por banda larga, do qual espera negócios lucrativos, e a uma clientela em constante crescimento. Em 2002, a meta da subsidiária da operadora Deutsche Telekom é zerar os prejuízos no resultado antes de pagar juros, impostos, amortizações e descontar a depreciação (Ebitda), indicou seu presidente, Thomas Holtrop, nesta quinta-feira, ao apresentar o balanço anual da empresa, em Weiterstadt, perto de Frankfurt.

Mais de 10 milhões de clientes - No ano passado, a T-Online chegou a ter 10,66 milhões de clientes, um aumento de 34%. Seu faturamento teve um acréscimo de 43%, totalizando 1,14 bilhão de euros. O Ebitda foi de 189 milhões de euros de prejuízo, menor do que a presidência da empresa esperava.

Em 2002, a carteira de clientes em toda a Europa deve aumentar em mais dois milhões para 12,7 milhões e o faturamento, em 30%. No final de 2001, 2,2 milhões de clientes possuíam uma conexão DSL.

Este ano, o provedor conta com um prejuízo de 300 a 350 milhões de euros, após o pagamento de juros, impostos e amortizações. No ano passado, o prejuízo foi de 797 milhões de euros, e em 2000, de 390 milhões de euros.

Banda larga diminuirá prejuízos - As melhores perspectivas se devem, em primeira linha, ao fim da tarifa mensal fixa ( flatrate) para rede telefônica (banda estreita). Como expôs o diretor financeiro da T-Online, Rainer Beuajean, a empresa cobrava uma mensalidade de 40 euros por cliente, mas tinha custos de 89 euros, principalmente por usar a rede da Deutsche Telekom. Esses clientes agora mudaram para flatrate da técnica DSL, de banda larga, que é mais econômica para a empresa.

O presidente da T-Online mostrou-se confiante de que o provedor terá êxito em sua estratégia de faturar mais, graças a conteúdos pelos quais irá cobrar. A disseminação da técnica DSL, que permite a transmissão de vídeos em qualidade de tevê poderá dar um impulso nas ofertas comerciais pela Internet.