1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Provável destino de Snowden, Equador depende cada vez mais da China

Para expandir sua infraestrutura petrolífera e assim financiar suas políticas sociais, o país americano depende dos empréstimos e investimentos chineses. O mais recente é de 12,5 bilhões de dólares.

O pedido de asilo político de Edward Snowden – que vazou informações secretas da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA para a imprensa – ao Equador chamou a atenção para o declínio da influência política e econômica dos Estados Unidos na América do Sul. Em vez de seguir a agenda de Washington, muitos países se voltam para China.

O Equador, por exemplo, depende cada vez mais do dinheiro vindo de Pequim. Nesta segunda-feira (24/6), o presidente Rafael Correa anunciou um acordo gigantesco com o governo chinês. Segundo o jornal El Comércio, a empresa petrolífera estatal China National Petroleum Company (CNPC) investirá 12,5 bilhões de dólares na modernização e construção de novas refinarias no país americano, um membro da Opec (Organização dos Países Exportadores de Petróleo).

Apenas para a construção da nova Refinaría del Pacífico foram destinados 10 bilhões de dólares. O restante será investido em mais três refinarias: La Libertad, Amazonas e Esmeralda, localizadas na costa do Pacífico. Com a nova cooperação, a PetroChina, uma subsidiária da CNPC, terá uma participação de 30% nas novas refinarias.

O megainvestimento é sintomático da crescente dependência financeira equatoriana do capital chinês. Em fevereiro último, o Banco de Desenvolvimento da China pagou a primeira parcela, no valor de 1,4 bilhão de dólares, de um empréstimo de 2 bilhões de dólares. O dinheiro será investido em infraestrutura e no orçamento do Estado.

Além disso, a imprensa equatoriana divulgou que, a partir de 2015, empresas chinesas instalarão linhas de alta voltagem em diversas áreas urbanas do país.

Exportador e importador

Projetos para investir não faltam no Equador. O governo de Correa, em seu terceiro mandato – o presidente foi reeleito em fevereiro último –, construirá oito usinas hidrelétricas, além das refinarias. Hoje o país exporta principalmente petróleo bruto e se vê obrigado a importar derivados a preços bem mais elevados.

Antes do megainvestimento na Refinaría del Pacífico, a dívida do Equador com a China já era de 7,8 bilhões de dólares, o que corresponde a mais de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) do país americano.

Os chineses começaram a se tornar o maior credor do país em dezembro de 2008, quando o governo equatoriano decretou a moratória das suas dívidas. Desde então, o país não tem mais acesso aos mercados financeiros internacionais e não consegue empréstimos do Banco Mundial ou do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Ainda assim, o desenvolvimento econômico do Equador é positivo. Depois da introdução do dólar americano como moeda corrente, em 2000, a economia cresceu em média 5% ao ano até 2008, início da crise financeira mundial. Após uma queda por causa da crise, o PIB voltou a crescer a partir de 2010, chegando a 8% em 2011. No ano passado esteve pouco abaixo de 5%. As previsões para este ano variam entre 3,8% e 4%.

Fuga dos investidores estrangeiros

Assim como em muitos países latino-americanos, o crescimento econômico do Equador é impulsionado por investimentos públicos de grande porte em programas sociais, que por sua vez são financiados com o lucro das exportações de petróleo. A venda de petróleo bruto responde por 58% do dinheiro obtido com as exportações.

Desde que assumiu em 2007, Correa nacionalizou boa parte da indústria petrolífera, o que afugentou os investimentos de empresas estrangeiras. De acordo com a Cepal (Comissão Econômica para América Latina e Caribe), o Equador é um dos países da região que menos recebem investimentos estrangeiros diretos, em razão da falta de garantias legais.

A falta de investimentos teve efeito negativo na produção de petróleo. Desde 2008, ela está estagnada em 500 mil barris por dia. Com 184 milhões de barris por ano, o país produz hoje menos do que há sete anos, segundo o El Comercio.

Para poder produzir, o Equador depende do dinheiro de fora, afirmou recentemente Mauricio Dávalos, ex-ministro da Agricultura. Se mantiver o atual modelo de desenvolvimento, a dependência da China deverá continuar ainda por muito tempo.

Leia mais