Protestos no Egito são os mais violentos em 30 anos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Protestos no Egito são os mais violentos em 30 anos

Desde 1981 Muhammad Hosni Mubarak ocupa a presidência egípcia. Grande parte da população sofre com pobreza, desemprego e inflação. Manifestações lembram as que levaram à recente queda do presidente tunisiano.

default

Polícia tem ordem de coibir passeatas com violência

Um movimento jovem pró-democrático convocou a população egípcia para novos protestos contra o presidente Muhammad Hosni Mubarak nesta quarta-feira (26/01). "Não vão ao trabalho, não vão à escola. Vamos todos às ruas, de mãos dadas, pelo nosso Egito", escreveu um ativista na rede social Facebook, "nós seremos milhões".

Segundo declaração do Ministério do Interior divulgada pela agência oficial de notícias Mena, não serão toleradas novas passeatas ou comícios, e os participantes serão imediatamente punidos. No Cairo, agentes de segurança vigiam as pontes sobre o rio Nilo, assim como grandes cruzamentos rodoviários e praças, o prédio da emissora de TV estatal e a sede do Partido Nacional Democrata, do governo. Apesar de todas as medidas e ameaças, observadores preveem uma nova noite de protestos.

O Facebook tem representado um papel central na organização dos protestos no país, os mais intensos em pelo menos 30 anos. Nesse ínterim, acumulam-se boatos de que o Cairo haveria bloqueado o acesso a outra rede social, o Twitter, desde a tarde de terça-feira. Supostamente o governo Mubarak teme o poder das mensagens digitais instantâneas de fazer o protesto no país evoluir em um movimento coordenado, a exemplo do ocorrido recentemente na Tunísia.

Flash-Galerie Ägypten Kairo Proteste

Passeata de protesto em Alexandria

Lembrando a Tunísia

Dois oposicionistas e um policial foram mortos na terça-feira na capital egípcia, nos protestos em parte violentos. Durante toda a noite, a polícia empregou gás lacrimogêneo e jatos d'água contra cerca de 10 mil oposicionistas que ocupavam a central Praça de Tahrir desde a tarde.

Porém na manhã de quarta-feira reinava relativa calma no Cairo, e o tráfego transcorria normalmente. Os protestos de massa também se estenderam a numerosas outras cidades do Egito, reunindo dezenas de milhares de cidadãos. Eles querem salários mais altos e liberdade de opinião, e se pronunciam contra a difundida corrupção no país. Alguns também exigem a renúncia do presidente.

Muitos egípcios sofrem com a pobreza, desemprego e inflação. Os atuais protestos contra o governo são os mais veementes desde a posse de Mubarak, em 1981. Eles lembram os ocorridos na Tunísia há pouco menos de duas semanas, e que culminaram na deposição do então presidente Zine el-Abidine Ben Ali. Atualmente este vive em exílio, na Arábia Saudita.

Os incidentes no Egito desestabilizaram os mercados de finanças, provocando uma queda de quase 5% do mais importante índice de ações do país. A libra egípcia desvalorizou-se em relação ao dólar norte-americano, atingindo sua cotação mais baixa desde janeiro de 2005.

AV/afp/ap/dpa/rtr
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais