1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Proposta indecente

Empresário de Schumacher diz que jamais reivindicaria salário tão alto quanto oferecido pela Ferrari. Valor supera ajuda da União Européia para combate à pobreza na América Latina.

default

Schumi, oferta de 205,5 mil euros por dia?

Willi Weber nem sequer acredita que a Ferrari esteja mesmo oferecendo a Michael Schumacher um contrato de 75 milhões de euros ao ano, tal como foi divulgado pelo jornal Tuttosport. "Gostaria muito que esta notícia fosse verdadeira. Mas a soma é utópica. E eu conheço a mídia italiana. Não se deve levar tudo tão a sério", adverte o empresário.

Segundo o jornal, a Ferrari quer garantir Schumi como seu piloto caso o alemão decida continuar dirigindo além de 2004, quando termina seu atual contrato de quase 40 milhões de euros anuais. A oferta seria prolongar seu vínculo com a escuderia por mais dois anos, ganhando praticamente o dobro.

A notícia estourou no domingo, mesmo dia em que o jornal alemão Welt am Sonntag publicou declaração do presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo: "Eu deixei claro para o Michael. Ele sozinho decidirá quando irá parar. Se quiser continuar pilotando depois de 2004, a Ferrari é seu lar e eu, o homem mais feliz do mundo. Vou fazer de tudo para manter na Ferrari quem proporcione resultados assim."

Schumacher deu títulos e novos clientes à Ferrari

De fato, a escuderia italiana não tem do que se queixar. Desde que Schumacher sentou-se à frente de um volante em Maranello em 1996, a Ferrari conquistou quatro campeonatos mundiais de construtores e o piloto saltou de bicampeão mundial para penta, batendo um recorde atrás do outro. E a supremacia da dobradinha Schumi-Ferrari atingiu seu ápice este ano, com a conquista mais rápida de um mundial.

Fora das pistas, a Ferrari também lucra com Schumacher. Em 2000, a montadora vendera 3300 unidades. Após a conquista naquele ano do primeiro título do alemão com o carro italiano, as vendas deram um salto e, em 2001, a Ferrari comercializou 4289 unidades. O faturamento subiu 18,5% e o lucro chegou a 62 milhões de euros, já descontadas todas as despesas com a Fórmula-1.

Os números causam inveja dentro do conglomerado Fiat, dono da Ferrari. Ao contrário da prestigiada marca esportiva, o grupo tem registrado prejuízo e sido obrigado a cortar empregos. Neste cenário, a oferta de 150 milhões de euros em dois anos de contrato para Schumacher "soa quase imoral", segundo o jornal alemão Die Welt.

O que são 75 milhões de euros ao ano?

Caso o piloto alemão aceite um salário deste valor, o pentacampeão atingiria remuneração anual de 100 milhões de euros, graças a seus contratos de publicidade e à receita dos artigos de sua marca, como o cartão de crédito que lançou nesta terça-feira em Frankfurt. Assim, Schumi passaria a ser de longe o esportista mais bem remunerado do mundo, ultrapassando o jogador de golfe Tiger Woods. Em 2001, o norte-americano ainda faturou quase o dobro de Schumi.

Jogadores de futebol, por exemplo, estão longe de atingir cifras como a deles. De acordo com a revista France Football, Zinedine Zidane lidera o ranking mundial do futebol, com 13,6 milhões de euros ao ano.

Até mesmo dentro da F-1, os colegas de Schumacher só podem sonhar com 75 milhões. O valor eqüivale praticamente ao orçamento anual das escuderias Arrows e Minardi. Chega a ser quatro vezes superior ao que ganha Jacques Villeneuve (BAR), o segundo piloto melhor remunerado da Fórmula-1, seis maior do que o do irmão Ralf Schumacher (Williams-BMW), e 100 vezes mais do que o salário de Gerhard Berger como diretor de automobilismo da BMW.

Saindo dos parâmetros esportivos, o que são 75 milhões de euros ao ano? Mais do que a União Européia repassa a toda a América Latina para combate à pobreza, à injustiça social e prevenção de catástrofes naturais. Em abril, a UE decidiu destinar 300 milhões de euros nos próximos cinco anos à AL.

Reivindicação inimaginável, oferta justa

"A demanda determina a oferta", defende Gerhard Berger. "Se um piloto me garante títulos mundiais, então ele vale tal investimento", justifica o diretor da BMW.

Somente nesta terça-feira, dois dias depois da revelação do Tuttosport, Schumacher negou ter recebido qualquer proposta da Ferrari. Já seu empresário afirma que ele e o piloto "só conversarão sobre a renovação do contrato com a escuderia a partir de meados de 2003". Willi Weber ressalta que, em todo caso, Schumi não vê possibilidade de mudar de equipe, caso siga correndo além de 2004.

Weber reconhece que a soma citada pelo jornal italiano é astronômica e confessa: "Eu jamais reivindicaria um valor destes". Mas, tal como Berger, o empresário não a acha injusta: "Michael é o melhor piloto e deve ser remunerado como tal". E sendo assim, o empresário remunerado à base de 20% de tudo o que o piloto fatura antecipa: "Se houver de fato uma oferta assim, vamos ficar felizes e aceitá-la. Sem dúvida."

Leia mais