1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Promotoria pede prisão para "Contador de Auschwitz"

Acusado de participação na morte de 300 mil no campo de concentração, Oskar Gröning, de 94 anos, pode passar três anos e meio na cadeia. É provável que este seja o último julgamento na Alemanha por crimes do nazismo.

No processo contra o alemão Oskar Gröning, de 94 anos e ex-membro da Waffen-SS, tropa de elite das Forças Armadas nazistas, a promotoria pediu uma pena três anos e meio de prisão nesta terça-feira (07/07). O réu é acusado de participação na morte de 300 mil prisioneiros no campo de concentração de Auschwitz.

O promotor Jens Lehmann, do Tribunal Regional de Lüneburg, no norte da Alemanha, ponderou, no entanto, que a corte deveria considerar parte da eventual sentença como cumprida. A justificativa é que Gröning foi repetidamente investigado nas últimas décadas, sem que qualquer acusação formal tenha sido feita contra ele até o ano passado.

Lehmann afirmou que o pedido da sentença teve como base "o número quase incompreensível de vítimas", mas foi mitigado pela "contribuição limitada do acusado" para as mortes.

Gröning serviu no campo de extermínio à Waffen-SS de setembro de 1942 a outubro de 1944. Sua função era administrar dinheiro, joias e outros objetos de valor dos deportados – o que lhe valeu o apelido de "Contador de Auschwitz", dado pela mídia alemã.

A promotoria o acusa de ocultar indícios de assassinato em massa, ao ajudar a dar sumiço à bagagem dos prisioneiros. Também o acusa de, como contador, separar o dinheiro e objetos de valor das vítimas, encaminhando-os, mais tarde, para Berlim, mesmo sabendo que Auschwitz servia para o assassinato em massa de pessoas durante o Holocausto.

No início do processo, que ganhou atenção internacional, em abril deste ano, o réu havia reconhecido ter pegado dinheiro da bagagem de judeus em Auschwitz e repassado à Waffen-SS, assumindo uma culpa moral.

Num comunicado lido por um de seus advogados no tribunal na semana passada, o réu disse não se sentir no direito de pedir que as vítimas do Holocausto o perdoassem. "Só posso pedir a Deus que me perdoe", afirmou.

É provável que o processo contra Gröning seja o último julgamento na Alemanha por crimes do nazismo. A saúde do nonagenário piorou visivelmente nos últimos tempos, atrasando vários procedimentos judiciais. Lehmann afirma que a corte está diante de uma decisão histórica e que o veredicto pode sair ainda neste mês.

LPF/dpa/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados