1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Promotor que substituiu Nisman indicia Kirchner

Novo responsável pelo caso leva adiante acusação feita por Nisman, morto em circunstâncias ainda não esclarecidas. Presidente argentina é acusada de acobertar supostos autores de ataque a uma associação judaica.

O promotor Gerardo Pollicita, que substituiu o promotor Alberto Nisman nas investigações do atentado à Associação Mútua Israelense-Argentina (Amia) em 1994, indiciou nesta sexta-feira (13/02) a presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, por suposto acobertamento dos autores do ataque.

Além de Kirchner, o ministro das Relações Exteriores, Héctor Timerman, e outros dois políticos ligados ao governo foram indiciados, dando prosseguimento, assim, à denúncia feita por Nisman quatro dias antes de morrer em circustâncias ainda não esclarecidas.

De acordo com o jornal Clarín, Pollicita analisou os documentos elaborados por Nisman e se convenceu de que a denúncia havia sido feita com base em informações sólidas. Ela se baseia em numerosas escutas telefônicas, que serão agora avaliadas.

Nisman acusara Kirchner e Timerman de terem acobertado a participação de suspeitos iranianos no ataque terrorista à Amia. Segundo ele, o governo tentou inocentar os acusados iranianos em troca de supostos benefícios comerciais. A Argentina pretendia trocar petróleo por grãos e vender armas ao Irã, afirmou o promotor.

O governo argentino contesta a denúncia e alega que as acusações feitas por Nisman são infundadas e um "disparate".

CN/afp/dpa/rtr

Leia mais