Projeções dão vitória a ambientalista na Áustria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Projeções dão vitória a ambientalista na Áustria

Alexander Van der Bellen supera candidato de partido de extrema direita na repetição do segundo turno do pleito presidencial, segundo prognósticos da emissora ORF. Hofer reconhece derrota.

Alexander Van der Bellen disputou eleição como candidato independente

Alexander Van der Bellen disputou eleição como candidato independente

Segundo os prognósticos da emissora ORF, o ambientalista Alexander Van der Bellen venceu a repetição do segundo turno da eleição presidencial na Áustria, realizado neste domingo (04/12).

De acordo com a emissora, o ex-líder do Partido Verde austríaco obteve 53,3% dos votos. O rival Nobert Hofer, candidato da legenda eurocética e anti-imigração Partido da Liberdade (FPÖ), angariou 46,7% dos votos austríacos. A margem de erro é de 1,2 ponto percentual.

Pouco após o anúncio dos prognósticos, o candidato populista de direita reconheceu a derrota e parabenizou o adversário. "Estou imensamente triste por não ter dado certo. Eu gostaria de ter cuidado da nossa Áustria", escreveu Hofer no Facebook.

Norbert Hofer

"Eu gostaria de ter cuidado da nossa Áustria", disse Hofer ao reconhecer a derrota

As projeções também já consideraram os 700 mil votos por carta, que serão contados somente nesta segunda-feira.

A eleição recebeu bastante atenção internacional, já que poderia sacramentar o desenvolvimento dos populistas de direitamundo afora após o Brexit (decisão pela saída do Reino Unido da União Europeia) e a escolha de Donald Trump pelos americanos. Van der Bellen é considerado um fervoroso fã da Europa.

Essa foi a terceira votação para a escolha do chefe de Estado austríaco. No dia 22 de maio, Van der Bellen havia ganhado o segundo turno com vantagem apertada, de cerca de 30 mil votos. No entanto, o pleito foi anulado após queixas da FPÖ, devido a irregularidades.

CA/dpa

Leia mais