Programa de governo sob fogo cruzado | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 18.10.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Programa de governo sob fogo cruzado

Fora os parcos elogios das organizações sindical e de gays e lésbicas, o programa do segundo governo de coalizão social-democrata e verde da Alemanha deparou-se com críticas generalizadas e arrasadoras.

default

Gerhard Schröder (e) e Joschka Fischer com o acordo da coalizão vermelho-verde

“É uma piada de mau gosto”, qualificou o presidente da Federação das Indústrias (BDI), Michael Rogowski. “Ele liquida todas as esperanças de crescimento econômico e de redução do desemprego”, avaliou o presidente da Federação dos Empregadores, Dieter Hundt.

As metas do governo para os próximos quatro anos foram anunciadas, em Berlim, juntamente com o gabinete renovado, na quarta-feira (16), três semanas após a vitória eleitoral de 22 de setembro e de duas semanas de negociações difíceis, marcadas por divergências entre os parceiros da coalizão social-democrata (SPD) e verde.

O líder patronal Hundt profetizou um agravamento da crise econômico-social em conseqüência dos planejados aumentos de impostos e dos custos sociais para empregados e empregadores, que vão encarecer ainda mais a mão-de-obra. A organização de cúpula do comércio varejista também não vê no programa impulsos para crescimento econômico, geração de emprego e consumo.

O Conselho Federal de Medicina, por sua vez, teme uma americanização do sistema de saúde, através de mais padronização, burocratização e intervenção estatal. A federação dos policiais alemães também bateu duro em suas críticas ao programa do governo recém-reeleito. “É uma decepção e um retrocesso para a ação repressiva.” Em compensação, as organizações ativistas dos direitos humanos não se pronunciaram.

Ambientalistas decepcionados - As organizações ambientalistas se mostraram decepcionadas, principalmente com o planejado adiamento de dois anos para a desativação da usina atômica mais antiga da Alemanha, a Obrigheim, em funcionamento desde 1969. A questão está causando barulho no próprio Partido Verde e promete esquentar a sua convenção no próximo fim de semana. Seis diretórios regionais já protestaram contra a prorrogação do prazo para o início de fato da renúncia à energia nuclear. No seu primeiro governo, a coalizão social-democrata e verde negociou um acordo, a duras penas, com o setor energético para desativar, paulatinamente, todas as 19 usinas nucleares do país.

Elogios parcos – Uma das poucas declarações favoráveis ao programa do segundo gabinete social-democrata (SPD) e verde do chanceler federal partiu do presidente da Federação dos Sindicatos Alemães (DGB), Michael Sommer, que pode ser resumido assim: o rumo é de modernização socialmente justa e merece ser apoiado pelos sindicatos. Um elogio comedido demais, considerando que os sindicatos são tradicionais aliados do partido presidido pelo chefe de governo Gerhard Schröder (SPD).

Lei antidiscriminação – A Federação dos Homossexuais vê no acordo de coalizão uma chance de fortalecer os direitos de gays e lésbicas na Alemanha, em função das promessas de uma lei de proteção das minorias e de um memorial em Berlim para lembrar as vítimas homossexuais do nazismo. A categoria mostrou-se, todavia, insatisfeita porque o programa de governo não menciona a discriminação de famílias de homossexuais com filhos. No seu primeiro governo, a maioria social-democrata e verde aprovou no Parlamento a lei que permite o casamento de pares de mesmo sexo.

Leia mais