1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Procuram-se substitutos para animais de laboratório

Congresso internacional estuda em Berlim alternativas para o emprego de cobaias em testes científicos. Ministra da Defesa do Consumidor, Renate Künast, defende os animais, na abertura do evento.

default

"Devemos nos perguntar de que maneiras os experimentos com cobaias são realmente necessários para tornar nossas vidas mais seguras", questionou a ministra da Defesa do Consumidor, Alimentação e Agricultura, Renate Künast, na abertura do 5º Congresso sobre Alternativas para a Experimentação com Animais, que se realiza em Berlim de 22 a 25 de agosto.

Defendendo mais investimentos em alternativas, ela afirmou que a Alemanha ainda está muito longe da meta do Partido Verde, de que se torne o número um europeu no desenvolvimento de métodos sem uso de animais. Embora o número de testes haja caído entre 2001 e 2003, Künast ainda o considera alto demais.

Em entrevista ao jornal Der Tagesspiegel, a ministra revelou que até espera uma nova elevação, caso seja implementada a nova diretriz da União Européia intitulada Reach (Registro, Avaliação e Autorização de Substâncias Químicas). Amplamente baseada em testes com animais, a diretriz virá regulamentar o uso de cerca de 30 mil produtos sintéticos em objetos manufaturados do dia-a-dia.

Entretanto, Künast admitiu que o assunto é complexo. "Há um conflito de interesses. Os esforços para proteger nossa saúde e meio ambiente não podem excluir totalmente a experimentação com cobaias."

Pele humana sintética

Versuch an einer Maus der Farbwerke in Hoechst

Experiência com comundongo na fábrica de tintas Hoechst

Em todo o mundo, os animais são utilizados para testar produtos que vão de xampu a novos medicamentos contra o câncer. Embora visando, em última análise, a proteção do consumidor, nos últimos anos a prática tem suscitado controvérsias cada vez mais acaloradas. Seus opositores argumentam que ela é mais lenta, mais cruel e mais cara do que alternativas não-animais.

As alternativas propostas no congresso incluem descobertas da moderna biotecnologia que simulam a pele humana, permitindo testar reações potencialmente adversas sem recorrer a cobaias.

Outro campo que depende muito dos testes com cobaias é a pesquisa da dor, onde praticamente todos os tratamentos disponíveis são primeiro testados em animais. Estes são também sacrificados no desenvolvimento de anestésicos para evitar dores durante as cirurgias.

Liberdade à vista para as cobaias

Porém, o fim do martírio dos animais de laboratório parece estar à vista. Na Europa, a prática acusou uma redução de 50% desde 1989, em especial graças a outra diretriz da UE, segundo a qual as experiências só são permissíveis na total ausência de uma alternativa viável.

Segundo Horst Spielmann, diretor do Zebet (Departamento Central para Coleta e Avaliação de Alternativas para os Experimentos com Animais), o progresso nesse campo é inegável. "O emprego de animais em currículos de ensino já ficou supérfluo. Em muitos países, é possível tornar-se médico, veterinário ou biólogo sem jamais haver praticado um único experimento envolvendo cobaias."

Leia mais