1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Procuradoria investiga venda de navio para Al Qaeda

A Procuradoria-Geral da Alemanha assumiu as investigações sobre a venda de um navio para a organização Al Qaeda de Osama Bin Laden, mediada por um negociante sírio que vive em Hamburgo.

default

Promotoria alemã investiga venda de navio à organização terrorista de Bin Laden

A Procuradoria Geral da Alemanha assumiu as investigações sobre a venda de um navio para a organização Al Qaeda de Osama Bin Laden, mediada por um negociante sírio que vive em Hamburgo. Nesta cidade viveram e estudaram no mínimo três dos terroristas kamikases que participaram dos atentados de 11 de setembro, segundo os serviços secretos dos Estados Unidos, CIA, e da Alemanha, BND.

O procurador-geral alemão, Kay Nehm, assumiu na sexta-feira um inquérito sobre lavagem de dinheiro que tramita em Frankfurt. Com isso espera-se mais revelações a respeito do sírio suspeito, Mamoun Darkazanli, e de suas ligações, esclareceu o vice-procurador-geral Hartmut Schneider, em Karlsruhe.

O suposto mediador da Al Qaeda na compra do navio "Jennifer" encontra-se em liberdade e está sendo investigado desde o início de outubro por suspeita de pertencer a uma associação terrorista. As autoridades alemãs já tinham conhecimento há tempos de sua suposta mediação na compra do navio da empresa de navegação Schleswig Holstein, de Düsseldorf, segundo o vice-procurador.

Schneider não quis dar informações mais precisas sobre a notícia divulgada pelo jornal New York Times dando conta que a organização de Bin Laden estaria usando o navio para transporte civil. A emissora de TV NDR 90,3 anunciou nesta sexta-feira que o sírio informou-se sobre cargueiro na agência do mercador de navios de Hamburgo Walther Möller, em 1993. A agência teria então mediado o "Jennifer", que se encontrava no Mar Mediterrâneo.

Segundo o New York Times, o milionário saudita Bin Laden usou a renda obtida com o transporte do navio para ajudar a financiar a Al Qaeda. O sírio Darkazanli negou até agora qualquer ligação com a venda do "Jennifer".