1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Processo de impeachment deve afetar economia já em recessão

Análise de possível afastamento de Dilma Rousseff deve paralisar governo federal e Congresso, deixando medidas como ajuste fiscal em segundo plano. Para especialistas, incerteza política dificulta recuperação econômica.

A decisão do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, de acolher nesta quarta-feira (02/11) o pedido de abertura de um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff ameaça agravar o cenário de incerteza da já abalada economia brasileira, que enfrenta recessão e o aumento progressivo da taxa de desemprego.

Segundo especialistas ouvidos pela DW Brasil, o processo de impeachment deverá paralisar o governo federal e o Congresso. Medidas importantes, como o ajuste fiscal, ficarão em segundo plano e a recuperação econômica do país ficará ainda mais distante. Além disso, investidores deverão ficar ainda mais pessimistas, e agências de classificação de risco poderão rebaixar a nota de crédito do país.

"O processo de impeachment vai paralisar o Congresso e o governo, que concentrará suas energias para salvar o mandato de Dilma Rousseff", afirma Paulo Sotero, diretor do Instituto Brasil do Wilson Center, em Washington. "As medidas necessárias do ajuste fiscal estão comprometidas, e o quadro de inflação e desemprego deve se deteriorar."

Para a economista Cecília Melo Fernandes, a recuperação da economia no longo prazo vai depender do desfecho do processo de impeachment. No entanto, o fato de o pedido ter sido aceito já gera custos como um aumento do risco-país, levando a uma maior desvalorização do real, afetando a inflação e acentuando o efeito negativo das expectativas dos agentes financeiros.

"Em decorrência desse cenário, em última instância, a política monetária deve responder de forma mais restritiva no futuro próximo, aumentando os juros, o que pressiona negativamente os investimentos, eventualmente aumenta o desemprego e piora a atividade econômica do país", frisa Fernandes. O Banco Central manteve no final de novembro a taxa básica de juros (Selic) em 14,25% ao ano, que poderá ser revista na próxima reunião.

Dilma Rousseff

Para especialistas, o processo de impeachment de Dilma (foto) deve deixar investidores mais pessimistas

Ambiente desafiador

A crise política deverá deixar o ambiente econômico ainda mais desafiador. De acordo com dados divulgados pelo IBGE nesta terça-feira (01/12), a economia brasileira registrou uma queda de 1,7% no terceiro trimestre de 2015 em comparação com o segundo trimestre. O acumulado de janeiro a setembro mostra uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,2%.

A projeção de instituições financeiras para a inflação deste ano subiu pela 11ª semana seguida. A estimativa do Boletim Focus, do Banco Central, para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 10,33% para 10,38% nesta segunda-feira.

A desaceleração da economia vem acompanhada de uma piora no mercado de trabalho, o que agrava a crise. No trimestre encerrado em agosto, a taxa de desemprego no país foi de 8,7% – sendo que era de 6,9% no mesmo período de 2014 e de 8,1% de março a maio.

Marcos Troyjo, diretor do BRICLab da Universidade de Columbia, acredita que os fundamentos da economia serão pouco afetados com a atual crise. Para ele, nada mudará, no curto prazo, em termos de inflação, emprego e taxa básica de juros.

"Já no que toca às percepções, a possibilidade de um governo de Michel Temer [atual vice-presidente], assentado em princípios pró-mercado, pode levar a uma valorização dos ativos brasileiros que respondem mais rápidos às mudanças, como a bolsa de valores, empresas estatais e a moeda brasileira", diz Troyjo. "Tudo isso, claro, depende da evolução política, o que promete muitos solavancos ainda à frente para a economia."

Rebaixamento de nota

O aprofundamento da crise política e econômica deverá abalar a credibilidade do Brasil junto aos investidores. Quando rebaixou a nota de crédito do Brasil de BBB para BBB- na metade de outubro, a agência de classificação de risco Fitch, afirmou que alguns dos principais motivos eram a queda do crescimento econômico e, ainda, a instabilidade política no país – que aumentou desde quarta-feira. Em setembro, a Standard&Poor's retirou o selo de bom pagador do país.

O possível aumento da taxa básica de juros dos EUA, ainda em dezembro, deverá também abalar a atratividade brasileira junto aos mercados financeiros internacionais. A alta poderá motivar a saída de recursos hoje aplicados em países emergentes como o Brasil para os EUA, onde os investimentos são considerados mais seguros.

"A economia vai mal e agora vai começar um novo e importante processo político. Mas o impacto poderá ser piorado ou atenuado, isso depende de como a classe política vai agir", afirma Adriano Gianturco, professor de Ciência Política do Ibmec/MG. "Se o processo for rápido, limpo e bem gerenciado, o resultado vai levar à estabilidade e, logo, a perspectivas melhores."

Leia mais