1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Processo contra neonazistas vira ponto de interrogação

Um agente secreto, membro da cúpula do partido neonazista (NPD) era a principal testemunha do processo de proibição deste partido. Sua "descoberta" levou à paralisação do processo, que terá de recomeçar de zero.

default

Wolfgang Frenz, membro da cúpula do NPD, desvendado como agente secreto

O processo sobre a proibição do Partido Nacional Democrata (NPD), principal organização neonazista alemã, dificilmente será retomado antes das eleições parlamentares do dia 22 de setembro. O Tribunal Constitucional Federal cancelou na terça-feira (22) todas as audiências do processo, ao descobrir que a principal testemunha de acusação fora um agente secreto infiltrado pelo governo no partido neonazista.

O agente secreto em questão, Wolfgang Frenz, foi vice-presidente do diretório do NPD no Estado da Renânia do Norte-Westfália. Ele trabalhou até 1995 como informante do Departamento de Proteção à Constituição, o serviço secreto responsável pela segurança interna da Alemanha, que está subordinado ao Ministério do Interior. O ministro do Interior Otto Schily (SPD) admitiu ter cometido um erro, mas descartou as exigências de renúncia formuladas pelos partidos de oposição (CDU/CSU).

Recomeçar de zero

De fato, o testemunho do ex-agente secreto era um dos pilares no qual se apoiava o governo, para exigir a proibição do partido neonazista. Wolfgang Frenz, 66 anos, é autor de um livro de conteúdo racista e anti-semita que prega, por exemplo, a necessidade de "uma nova raça branca regenerativa e de um novo Führer" e afirma que o anti-semitismo de Hitler foi uma sorte para os judeus.

Tais declarações, na opinião do governo, seriam suficientes para provar o caráter anti-semita do NPD e justificar sua proibição. Mas agora o Tribunal Constitucional Federal terá de retomar o processo da estaca zero. Será necessário que todas as instâncias governamentais – governo federal, Bundestag (câmara), Conselho Federal (senado), Ministério do Interior etc. – se pronunciem sobre o ex-agente, a fim de que o Tribunal possa avaliar se a acusação ainda é pertinente sem o seu testemunho e o seu material de incriminação.

Após as eleições

Isto pode demorar muito. Basta dizer que o Tribunal levou seis meses para concluir a fase inicial do processo. Além disso, a juíza Jutta Limbach, presidenta do Tribunal irá se aposentar no mês de abril e sua provável substituta, Gertrude Lübbe-Wolff, precisará de tempo para se inteirar do processo.

Dessa forma, uma possível retomada do processo contra o NPD ocorreria no segundo semestre, perto das eleições legislativas, que irão definir o próximo chanceler federal. E muito provavelmente o Tribunal Constitucional Federal não irá permitir que um processo desta envergadura seja realizado em meio a uma campanha eleitoral, na medida em que beneficiaria, sobretudo, o partido neonazista.

Querosene na fogueira

A "descoberta" do ex-agente secreto reforçou os argumentos dos críticos, que condenavam a proibição do NPD por achar que o governo não está preocupado em defender os direitos fundamentais da constituição e sim tirar proveito político. É como se o governo quisesse dizer: estamos fazendo algo contra o neonazismo.

Na opinião da vice-líder da bancada do Partido do Socialismo Democrático (PDS), Petra Pau, o governo estimulou o NPD ao utilizar sistematicamente informantes nas posições chaves. É o mesmo que "querer apagar o fogo com querosene", disse Pau. O Partido Verde exigiu uma restruturação dos serviços secretos alemães e a criação de mecanismos de controle através do parlamento.

Leia mais