1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Primeiro-ministro da Holanda encaminha renúncia

Pedido é entregue à rainha Beatrix após o partido nacionalista de Geert Wilders retirar seu apoio à coalizão de governo.

Netherlands' Prime Minister Mark Rutte arrives at a ceremony for the victims of a bus crash in Switzerland, at the Sint Pieters church in Leuven March 22, 2012. A bus carrying a Belgian school party home from a ski trip crashed into the wall of a tunnel in Sierre in the Valais region of Switzerland, killing 28 people, 22 of them children, police said on March 14. The bus transported 52 people, mostly school children from Heverlee and Lommel in Belgian Flanders. REUTERS/Pool/BELGA/Benoit Doppagne Yorick Jansens (BELGIUM - Tags: DISASTER TRANSPORT)

Premierminister Niederlande Mark Rutte

O primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, ofereceu a renúncia de seu gabinete à rainha Beatrix nesta segunda-feira (23/04), após o colapso do seu governo minoritário, sustentado pelo apoio informal de um partido nacionalista.

Segundo nota oficial do governo holandês, a rainha está avaliando o pedido de renúncia e pediu para que todos os membros do governo continuem nas suas funções até que uma decisão seja tomada.

O pedido de renúncia já era esperado, pois no sábado passado Rutte havia reconhecido que novas eleições seriam o "passo lógico" após o fracasso das negociações entre a coalizão de governo e os partidos aliados no Parlamento, incluindo o nacionalista e xenófobo Partido da Liberdade, de Geert Wilders.

Apesar de não integrar a coalizão de governo, o partido de Wilders deu sustenção a ela ao longo de 18 meses, concordando em apoiá-la no Parlamento. Esse arranjo chegou ao fim no final de semana, com o fracasso das negociações sobre um novo pacote de austeridade financeira.

O pacote prevê cortes de 16 bilhões de euros para reduzir o deficit público, que em 2011 alcançou 28 bilhões de euros, ou 4,7% do Produto Interno Bruto (PIB). O limite estipulado pela União Europeia é de 3% do PIB.

AS/afp/lusa
Revisão: Francis França

Leia mais