PRIMEIRO ENCONTRO OFICIAL DO BRIC | Escreva sua opinião, comentários, críticas ou sugestões | DW | 20.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

PRIMEIRO ENCONTRO OFICIAL DO BRIC

O encontro do BRIC, subsídios agrícolas, conferência do clima, Coreia do Norte e incentivos para o ensino universitário na Alemanha foram os temas comentados esta semana por nossos usuários.

default

Brasil potência mundial? Considerando que o Brasil tem a maior área agricultável, que detém imensas reservas de água doce, de minério de ferro, de petróleo, de biodiversidade e outras riquezas naturais. Considerando que o país é pacífico e fala uma única língua. Considerando que o regime político é a democracia. Considerando que há esforços no sentido de melhorar a educação do povo brasileiro. Considerando que as instituições democráticas estão funcionando livremente. Creio sim que, com essas características, o Brasil possa se tornar, em algumas décadas, uma potência ao lado de outras mais.
Marcio Aulete de Ronai Perera


É muito interessante ver que, no auge da crise econômica mundial, os países emergentes ganham não só uma posição na economia mundial, mas principalmente o respeito por parte dos países ditos "ricos", que a partir de agora têm que aceitar que esses países emergentes precisam ter maior participação nas decisões globais. Acho muito importante essa primeira cúpula de líderes dos países do BRIC.
Lucas Perez

SUBSÍDIOS AGRÍCOLAS DA UNIÃO EUROPEIA

Lamentavelmente, a União Europeia mantém estes subsídios, prejudicando a entrada de produtos de outros países, como o Brasil. É uma prática arcaica e protecionista que em nada contribui para a harmonia de mercados globais. Eu torço para que a Alemanha seja punida e que os demais membros da União Europeia abram os olhos para essa política desleal com os demais países do mundo.
Cristiano Silveiro

CONFERÊNCIA DO CLIMA EM BONN

O Brasil tem dimensões continentais, clima tropical ensolarado e tudo o mais para aumentar rapidamente sua capacidade de absorção de CO2 via biomassa. Quem sabe o governo, junto com a sociedade organizada, prefeituras e ONGs, possa lançar uma gigantesca campanha incentivando a população a plantar árvores ao longo das ruas e estradas, calçadas, praças, no campo e nas margens dos rios. Em todos os espaços vazios e adequados, onde possível for, objetivando pronta, efetiva e rápida contribuição para ajudar a deter a devastação do planeta Terra decorrente das emissões de carbono. Temos cerca de 200 milhões de habitantes. Se uma campanha com esse objetivo for bem preparada, inclusive com os devidos recursos, admitindo que a campanha consiga atingir somente 25% da população – teremos 50 milhões de plantadores de árvores em todo o Brasil. Se, em média, cada habitante plantar seis árvores por mês, no final de um ano estaremos dotando o nosso país de uma capacidade de absorção de CO2 da ordem de 1 bilhão de toneladas de carbono. Prosseguindo o plantio de árvores nesse ritmo, em cinco anos estaremos com uma capacidade de absorção adicional de CO2 da fantástica ordem de 5 bilhões de toneladas de carbono. Enquanto as nações industrializadas continuam fazendo corpo mole na redução efetiva das emissões de carbono e a devastação da floresta amazônica prossegue, faremos o que é possível e está ao alcance de nossa capacidade. Incentivar a população a plantar árvores é possível, realizável e de pronto resultado. Só depende de vontade política, por enquanto. Amanhã, nem com vontade política – será tarde demais.
Welinton Naveira e Silva

COREIA DO NORTE AFIRMA QUE PRODUZIRÁ PLUTÔNIO
Sanções contra a Coreia do Norte não surtirão efeito prático. Acabará acontecendo algum incidente que conduzirá a uma agressão nuclear! Vale para o Irã e a Coreia do Norte! Considero a situação do Irã e da Coreia do Norte explosiva. Mais cedo ou mais tarde teremos um enfrentamento bélico!
Ricardo Santa Maria Marins


A REDE DO TERROR NAZISTA

Caríssimo, penso que já é hora de o homem crescer e por isso mesmo refazer a sua história em bases sólidas, construtivas, de tal modo que todas as gerações futuras nelas possam se mirar orgulhosas de sua estada neste planeta. Assim como as crianças desprezam seus rabiscos, nas várias tentativas de aprender a desenhar bem, estas páginas vergonhosas, sem conteúdo ao longo da nossa formação, devem ser rapidamente queimadas, arrancadas para dar lugar à composição de uma memória educativa, estimulante na busca do bem.

Engana-se quem pensa que devemos honrar, preservar na memória o andamento dos erros cometidos, para servirem de modelos delatores da fragilidade humana. Nem é questão de perdoar, mas de desintegrar da gente o vírus contagioso mantido em tubos, gavetões da memória. Já está provado que não aprendemos com os erros e que o errar é humano. […]

Adeir Reis

ENSINO UNIVERSITÁRIO E PESQUISA RECEBERÃO INCENTIVOS BILIONÁRIOS

Mais um exemplo que mostra por que a Alemanha é uma grande nação, enquanto todos cortam investimentos, principalmente nas áreas sociais e educação, os alemães fazem exatamente o contrário. É um exemplo que deveria ser seguido pelo Brasil, que tem um grande potencial e déficit nessa área.
Jaime Cacildo de Araujo

Penso que a anunciada injecção de verba no ensino superior e na pesquisa vai ao encontro de interesses alemães, sem dúvida, mas também europeus, na medida da influência e intercambio que (felizmente) existem na "Eurolândia". Um exemplo a ser seguido, na medida de suas possibilidades, por outros países!
Ronaldo Schutz (Portugal)

ASILO A PRISIONEIROS DE GUANTÁNAMO

A União Europeia não tem mesmo que acolher os prisioneiros dos EUA, pois os estadunidenses têm um território bastante grande e podem ficar com seus prisioneiros, e certamente os EUA têm condições de abrigar esses prisioneiros, que são de responsabilidade dos estadunidenses. A União Europeia não tem que se meter nisso, pois a Europa já tem os seus problemas e não pode receber as mazelas dos outros. Os EUA são um país grande e têm perfeitas condições de ter essas despesas e seus próprios problemas, afinal de contas por que os EUA querem tanto empurrar os seus prisioneiros e problemas para a União Europeia?

Nogueir a

Leia mais