1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Primeiras confissões no escândalo da Volks

Em auditoria interna da montadora alemã, engenheiros admitem ter instalado software manipulador em motores a diesel, afirma jornal. Ainda não se sabe, no entanto, de onde veio a ordem para a instalação do programa.

Em investigação interna da montadora Volkswagen, diversos engenheiros admitiram ter instalado um software de manipulação em 2008, visando maquiar os valores de emissões de gases tóxicos, informa a edição deste domingo (04/10) do jornal Bild.

Naquela ocasião, o motor a diesel EA 189, que havia sido desenvolvido pela empresa de Wolfsburg desde 2005, estava prestes a ser produzido em série, segundo o tabloide.

De acordo com a reportagem, na época não havia sido encontrada uma solução para adequar os padrões de emissões especificados com os requisitos de custos do motor. Por esse motivo, foi decidido o uso do software manipulador. Os funcionários interrogados informaram que, de outra forma, não teria sido possível dar continuidade ao projeto de propulsão, que era de grande importância para a companhia.

Os motores manipulados foram instalados em carros a diesel da Volkswagen em todo o mundo. Somente na Alemanha, foram afetados 2,8 milhões de automóveis.

Quem deu a ordem?

Segundo o Bild am Sonntag, ainda não se sabe quem deu a ordem para a instalação do software. Questionados pela auditoria interna da empresa, diversos engenheiros teriam levantado acusações contra o ex-chefe do setor de desenvolvimento Ulrich Hackenberg. Segundo o jornal, ele estava ciente da fraude.

No entanto, existem afirmações conflitantes sobre a sua responsabilidade quanto à ordem de instalação do software. Hackeberg, que chefia o departamento de desenvolvimento da Audi desde 2013 e também faz parte da diretoria da empresa de Ingolstadt, foi licenciado do cargo uma semana atrás. Até agora, ele não se posicionou em relação à mídia sobre o seu papel no escândalo da Volks.

Hans Dieter Pötsch, que deverá assumir em novembro o cargo de presidente do conselho de administração da Volks, após Martin Winterkorn ter se demitido, afirmou ver a companhia numa situação difícil. Segundo o Bild am Sonntag, num evento interno da empresa em Wolfsburg, Pötsch falou de uma "crise ameaçadora" para a existência da montadora. Ao mesmo tempo, o futuro chefe da Volks também disse que, se todos participarem, é possível superar os atuais problemas.

A reportagem informou, ainda, que o planejado orçamento de investimentos até 2018, na ordem de 100 bilhões de euros, está sendo reavaliado. A Volkswagen não quis comentar as possíveis medidas a ser tomadas.

CA/afp/dpa/rtr

Leia mais