1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Pressão do Vaticano faz bispo cancelar aconselhamento antiaborto

Único bispado alemão que ainda aconselhava mulheres que pretendem interromper a gravidez cedeu à pressão do Papa. Em plebiscito na Irlanda, foi rejeitada proposta do governo para tornar lei antiaborto mais rigorosa .

A resistência ao Vaticano do bispo Franz Kamphaus, de Limburg, próximo a Frankfurt, durou mais de um ano. No início de janeiro do ano passado, os demais 27 bispos católicos da Alemanha haviam atendido a um apelo do Papa e acabaram com o aconselhamento às gestantes que pretendiam abortar.

Na Alemanha, o aborto é permitido, desde que realizado nos primeiros três meses de gestação e somente após uma conversa em escritórios especiais mantidos agora apenas por paróquias protestantes, médicos credenciados e outras iniciativas.

Embora seja apenas uma confirmação de que participou do aconselhamento, não revelando a decisão tomada pela mulher, a certidão expedida ao final desta conversa era o pomo da discórdia pelo Vaticano. Mas, sem o papel, a mulher não pode abortar.

Numa carta pessoal do Papa João Paulo Segundo ao bispo alemão, nesta quinta-feira (7), o Santo Padre escreveu que respeita o conflito interno de Kamphaus, mas não pode permitir que o aconselhamento continue.

Ao mesmo tempo, destacou seu desejo de que o religioso prossiga seu trabalho no bispado de Limburg. Nesta sexta-feira, Kamphaus anunciou que atenderá às ordens do Vaticano.

Irlandeses não querem endurecer lei antiaborto No terceiro plebiscito sobre o aborto realizado na Irlanda num espaço de 20 anos, os irlandeses votaram contra a proposta do governo, que pretendia restringir ainda mais a já rígida lei antiaborto. A interrupção da gravidez é ilegal na Irlanda desde 1861, exceto se a saúde da mulher estiver em risco.

Em 1992, a Corte Superior de Justiça de Dublin havia decidido a favor de uma garota de 14 anos, que pretendia se suicidar depois de ter engravidado num estupro. O plebiscito desta quarta-feira (6) pretendia uma alteração constitucional, proibindo o argumento de que a ameaça de suicídio justifica o aborto.

A votação foi marcada pelo baixo comparecimento dos eleitores às urnas e demonstrou claramente as diferenças entre campo e cidade. Na área rural, concentraram-se os defensores do projeto do governo. Apenas 43,6% dos 2,8 milhões de votantes entregaram seu voto: 50,4% contra e 49,5% a favor.

A católica Irlanda é o único entre os 15 países da União Européia onde a interrupção da gravidez não é permitida. Calcula-se em sete mil ao ano o número de irlandesas que faz aborto na vizinha Grã-Bretanha. (rw)

Links externos