1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presos alemães suspeitos de fornecer equipamento nuclear proibido ao Irã

Quatro alemães foram detidos sob suspeita de desrespeitar embargo internacional a programa nuclear iraniano. Válvula vendida por eles se destinava oficialmente a empresas de fachada em outros países.

As autoridades alemãs prenderam quatro homens por suspeita de fornecimento ilegal de equipamento destinado ao programa nuclear iraniano. Em 2010 e 2011 eles teriam participado da entrega de válvulas especiais para a construção de um reator de água-pesada, desobedecendo ao embargo em vigor contra o Irã.

Conforme divulgou a Procuradoria Geral da República alemã nesta quarta-feira (15/08), oficialmente as válvulas se destinavam a clientes na Turquia e no Azerbaijão. No entanto, os alemães envolvidos – dos quais, três também têm nacionalidade iraniana – alegadamente sabiam tratar-se de firmas de fachada, que repassariam as peças ao Irã.

Produção de água-pesada em Arak

Produção de água-pesada em Arak

Cerca de 90 agentes participaram da prisão dos homens em Hamburgo, Oldenburg e Weimar, cidades onde residiam. Eles deverão ser apresentados a um juiz de instrução na quinta-feira. Além disso, foram também revistadas a residência e dependências comerciais de um quinto suspeito, em Halle, na Saxônia-Anhalt.

Civil ou militar?

Nos últimos anos, a ONU e a União Europeia vêm gradualmente endurecendo as sanções contra o Irã, devido ao controverso programa nuclear do país. As potências ocidentais suspeitam que a República Islâmica também esteja secretamente utilizando tecnologia do programa nuclear oficial, de fins civis, para a construção de bombas atômicas.

A Procuradoria Geral não divulgou para qual usina nuclear as válvulas contrabandeadas se destinavam. Porém, o Irã mantém em funcionamento um reator de água-pesada nas proximidades da cidade de Arak. Peritos ocidentais consideram que a unidade seja capaz de produzir plutônio para utilização em armas nucleares.

AV/rtr,dpa
Revisão: Francis França

Leia mais