1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidente sírio conclama mobilização nacional contra oposicionistas

Em seu primeiro comunicado público em mais de meio ano, Assad afirma: rebeldes são assassinos e terroristas da Al Qaeda. E agradece a Rússia, China e Irã, rechaçando intervenção de "marionetes do Ocidente" na Síria.

Pela primeira vez em sete meses, o chefe de Estado sírio, Bashar al-Assad, dirigiu-se à população de seu país em discurso, neste domingo (06/01). Em face dos combates que já se perpetuam por quase dois anos, ele se referiu a um conflito "entre a pátria e seus inimigos".

Assad chamou os oposicionistas de "assassinos" e terroristas da Al Qaeda, num comunicado a seus correligionários reunidos no Centro de Cultura e Arte da capital Damasco, e transmitido ao vivo pela emissora estatal de televisão.

Ele afirmou que a Síria se encontra diante de um ataque sem precedentes. "É um conflito entre o povo, de um lado, e assassinos e criminosos, do outro", disse o presidente. Antes deste, o último discurso público de Assad foi feito em junho de 2012, diante do Parlamento.

"Sem espaço para alegria"

O presidente sírio conclamou a uma mobilização nacional para derrubar a insurgência contra ele. "O sofrimento se espalhou por todo o país. Não há mais espaço para alegria. Falta segurança e estabilidade nas ruas." Segundo o presidente, a nação pertence a todos e deve ser protegida por todos.

Observando que não haverá diálogo com "as marionetes do Ocidente", Assad agradeceu aos aliados Rússia, China e Irã por rechaçarem a interferência estrangeira no país. Ele instou o Ocidente e os Estados árabes a suspenderem a ajuda aos rebeldes e a se manterem afastados de uma solução política para a Síria.

As declarações do líder foram repetidamente interrompidas pelos aplausos e o clamor de seus adeptos, que brandiam os punhos aos brados de "por ti, Bashar, sacrificamos o sangue e a alma!". Perto do final do discurso, Assad recebeu com um sorriso as invocações de "Deus, Síria e Bashar nos bastam".

Kriegsszene Syrien (Idlib)

Combates entre rebeldes e tropas do governo sírio seguem sangrentos

Mais de 60 mil mortos

Segundo estimativas da Organização das Nações Unidas, mais de 60 mil pessoas já foram mortas na revolta contra o regime sírio, iniciada em março de 2011. O presidente pertence à minoria alauita, próxima dos xiitas. Os rebeldes – em grande parte recrutados entre a maioria sunita – já controlam amplas regiões do país e se encontram às portas da capital. Além disso, numerosos diplomatas, políticos e militares abandonaram as alas governistas, enfraquecendo sensivelmente o impacto das tropas.

Na área metropolitana de Damasco, o regime sírio procura impedir o avanço dos insurgentes com pesadas operações militares. Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, sediado em Londres, voltaram a ocorrer ofensivas aéreas contra os oposicionistas nas cercanias da capital.

Mais um desertor

A localidade de Al-Nashabiya foi especialmente atingida, o que resultou em numerosos mortos e feridos. Além disso, seguem ocorrendo combates violentos em diversos subúrbios.

Segundo a imprensa local, mais um piloto aéreo sírio conseguiu escapar para a Turquia. Consta que ele aterrissou com sua MiG-23 na província de Adana. Antes, o piloto havia feito contato com os militares turcos, durante uma operação na região fronteiriça entre os dois países.

Não há confirmação oficial sobre a deserção. Porém, um caso semelhante ocorreu em junho de 2012, quando um piloto de combate sírio conseguiu escapar para a Jordânia numa aeronave do tipo MiG-21. Após aterrissar num aeroporto militar, ele pediu asilo político no país.

AV/dpa/dapd/afp/rtr
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais