1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidente português intervém para viabilizar Eurocopa

Uefa ameaça tirar de Portugal organização do campeonato europeu de futebol de 2004. Obras em estádios param devido a desentendimentos em clubes e poder público. Presidente da República assume as rédeas da organização.

default

Jorge Sampaio puxou para si a responsabilidade pela organização

O presidente português, Jorge Sampaio, decidiu assumir o comando da organização para a Eurocopa 2004. Em reunião de emergência com representantes de clubes, governo federal e políticos regionais, Sampaio cobrou maior compromisso de todos com a realização do campeonato europeu de futebol a fim de evitar maiores danos à imagem de Portugal. Por causa de desentendimentos internos, a Uefa já ameaçou transferir a Eurocopa de Portugal para outro país.

"As últimas divergências internas causaram grande prejuízo à nossa fama", admitiu o presidente. O nó da questão está sobretudo no financiamento para a construção de novos estádios e infra-estrutura (estradas, hotéis, hospitais e aeroportos) nas cidades que vão sediar as partidas. No último fim de semana, por exemplo, foi paralisada a construção do novo estádio do FC Porto, pois o clube e a prefeitura não conseguem chegar a um acordo sobre as subvenções municipais e o planejamento da obra.

O problema repete-se em outras cidades. Ao todo, devem ser construídos sete novos estádios até 2004 e três seriam renovados. Na reunião com o presidente da República, os clubes portugueses reafirmaram por unanimidade a meta. Os cartolas saíram satisfeitos do encontro, mas evitaram entrar em detalhes da conversa. Eles apenas elogiaram a intervenção de Sampaio e ressaltaram ter confiança que tudo irá se resolver.

De acordo com os planos originais, as obras seriam parcialmente financiadas com 185 milhões de euros dos cofres públicos. No entanto, reivindica-se agora o dobro da quantia, alegando-se que a dotação inicial não será suficiente. O presidente do Sporting, Dias da Cunha, garante não haver "derrapagem" nos custos. "Muito pelo contrário, as contas foram bem feitas e se há algum agravamento do custo dos estádios, isso teve a ver com a alteração da legislação", disse ele após a reunião com o presidente Sampaio.

Dias da Cunha ressaltou que, quando o orçamento foi elaborado, não havia uma legislação específica para a construção de estádios e que a nova lei criada em Portugal estabeleceu exigências de segurança muito mais rigorosas do que as das própria Uefa.

Leia mais