1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidente interino anuncia agenda para transição no Egito

Cronograma prevê eleições legislativas em seis meses, referendo constitucional e eleição presidencial. Plano é divulgado horas depois da morte de 51 pessoas no Cairo, durante manifestação de apoio ao ex-presidente Morsi.

O presidente interino do Egito, Adly Mansour, decretou na noite de segunda para terça-feira (09/07) que a organização de eleições legislativas no país deverá acontecer até o final deste ano. Mansour também estabeleceu um cronograma para a realização de um referendo sobre alterações na Constituição e para novas eleições presidenciais.

A maior nação árabe entrou em período de transição na última quarta-feira, quando o Exército depôs o então presidente Mohammed Morsi.

Divulgada pela agência estatal Mena, a declaração constitucional prevê a nomeação, em até 15 dias, de um comitê constitucional, que terá dois meses para apresentar propostas de alterações à Constituição suspensa com a deposição de Morsi.

Em até cinco meses, a nova Constituição egípcia deverá então ser submetida a um referendo. Em até três meses depois da ratificação da nova carta magna, deverão ser realizadas as eleições legislativas, previstas para começar antes do final de 2013 e terminar até fevereiro de 2014. Em seguida, serão anunciadas eleições presidenciais, que deverão encerrar a transição no Egito.

Ägypten Krise Proteste Auseinandersetzungen Islamisten 08.Juli 2013 Pro Mursi

Apoiadores de Morsi se reúnem no local onde 51 pessoas morreram na manhã de segunda (08/07)

O anúncio de Mansour foi feito algumas horas depois da morte de ao menos 51 pessoas na capital egípcia, Cairo, durante uma manifestação de apoio ao presidente destituído, que foi o primeiro líder democraticamente eleito do país do norte da África.

Encabeçados pela Irmandade Muçulmana, que convocou um "levante" depois de acusar militares e a polícia de "massacrar" os apoiantes de Morsi, mais protestos foram anunciados por islamistas egípcios para esta terça-feira.

Ainda na segunda-feira, o presidente interino ordenou a abertura de uma investigação sobre as violências da manhã. Segundo os serviços de emergência, 435 pessoas ficaram feridas. A Irmandade Muçulmana, da qual o ex-presidente Morsi é oriundo, divulgou uma lista com os nomes de 42 membros da organização que foram mortos. A polícia e o Exército contabilizaram três mortes.

As violências deste início de semana agravam o clima de tensão que prevalece no Egito desde a deposição de Morsi, que se seguiu a megaprotestos no país exigindo a saída do ex-presidente. O secretário geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, condenou a mais recente onda de violência e pediu uma investigação independente.

RK/lusa/afp

Leia mais