1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidente grego apela por consenso para formação de governo

Sem acordo entre forças políticas no Parlamento grego, formação de governo fica bloqueada e Grécia poderá ter novas eleições em junho. Autoridades européias pressionam por reformas econômicas.

O presidente da Grécia, Carolos Papoulias, convocou os três principais partidos do Parlamento para uma reunião neste domingo (13/05). O líder do socialista Pasok, Evangelos Venizelos, devolveu ao presidente o mandato para negociar a formação de um governo de coalizão. Venizelos foi o terceiro líder a tentar o consenso entre os partidos, o que viabilizaria a governabilidade do país.

Westerwelle Bundestag Rede Regierunserklräung Krise Schuldenkrise

Westerwelle: alerta final

Caso os partidos não cheguem a um acordo, novas eleições terão que ser realizadas em junho próximo. O impasse político ameaça a permanência da Grécia na zona do euro. Os credores internacionais já alertaram que não vão liberar novos empréstimos enquanto não forem implementadas reformas estruturais profundas na economia grega.

O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle alertou que a Grécia precisa manter as condições para receber futuros recursos. "Se um novo governo romper de forma unilateral com o acordo, não haverá nova injeção de recursos europeus", disse Westerwelle ao jornal Die Welt.

Sob pressão

O cenário político grego é de confusão após o pleito do último domingo, que acabou com a supremacia dos dois partidos que dominavam a política do país nos últimos anos. Pasok e Nova Democracia garantiam a implementação de medidas econômicas austeras e a presença da Grécia na zona do euro.

Venizelos havia recebido a incumbência de formar o novo governo, enquanto líder da terceira maior bancada parlamentar. Antes, o conservador Nova Democracia e a Coalizão de Esquerda Radical, respectivamente primeiro e segundo partidos mais votados nas eleições, haviam fracassado nas tentativas de formar uma nova aliança governamental.

Após se encontrar com o líder da Esquerda Democrática, Fotis Kouvelis, Venizelos chegou a afirmar que havia conseguido dar um "primeiro passo" rumo à formação de uma aliança. A Esquerda Democrática tem uma bancada reduzida (19 deputados), mas com membros suficientes para garantir uma maioria parlamentar necessária em uma aliança formada com socialistas e conservadores. Na última sexta-feira (11/05), entretanto, Kouvelis afirmou que só iria participar de um governo que incluísse também a Coalizão da Esquerda Radical, agremiação que é contra o programa de austeridade e reformas implementadas na Grécia.

Risco para todos

Schäuble PK Haushalt Berlin

Schäuble: 'A Europa não vai afundar tão rápido assim'

A agência de rating Fitch advertiu para os riscos de uma saída da Grécia da zona do euro. Caso isso acorra, diz a agência, todos os títulos públicos dos países europeus ficarão sob observação, inclusive os alemães. E países como a França, a Itália, a Espanha e a Bélgica poderão ser rebaixados pelas agências de rating. O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, procurou demonstrar, apesar de tudo, confiança. "A Europa não vai afundar tão rápido assim", declarou o ministro ao jornal Rheinische Post.

MP/dpa/rtr/afp/dapd
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais