Presidente do Irã esvazia discurso de Amorim em conferência da ONU | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 24.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidente do Irã esvazia discurso de Amorim em conferência da ONU

Após Celso Amorim pedir na conferência da ONU que o mundo dialogue com o Irã, Ahmadinejad responsabilizou EUA pelos atentados de setembro de 2001. Comunidade internacional mantém oferta de diálogo sobre programa nuclear.

default

Mahmoud Ahmadinejad fala durante 65º conferência da ONU

A Conferência das Nações Unidas, em Nova York, começou em clima de escândalo nesta quinta-feira (24/09). Depois do discurso de abertura, proferido pelo ministro brasileiro de Relações Exteriores, Celso Amorim, que pediu o diálogo em torno da questão iraniana, a assembleia foi surpreendida pelo ataque verbal de Mahmud Ahmadinejad, presidente do Irã, contra os Estados Unidos.

"Apesar das sanções, esperamos que a lógica do diálogo e do entendimento prevaleça. O mundo não pode correr o risco de um novo conflito como o do Iraque", disse Amorim.

As palavras do ministro foram seguidas da acusação de Ahmadinejad: diante dos representantes dos 192 Estados-membros da ONU, ele disse que o governo norte-americano planejou os atentados de 11 de Setembro.

Segundo uma das teorias do líder iraniano, "alguns segmentos dentro do governo norte-americano orquestraram o ataque para tentar reverter o declínio da economia americana e fortalecer seu acesso ao Oriente Médio, com o objetivo de salvar o regime sionista", disse Ahmadinejad fazendo referência a Israel.

Seguiu-se a repetição de uma ação já vista em conferências passadas: as delegações dos Estados Unidos, dos países da União Europeia e de outras nações deixaram o plenário, enquanto o presidente iraniano fazia seu discurso.

"Absurdo e ofensivo"

Catherine Ashton, chefe da diplomacia da União Europeia (UE), classificou o discurso de Ahmadinejad como "ultrajante e inaceitável". E justificou: "Esse foi o motivo pelo qual todos os representantes das 27 nações da UE deixaram o local".

O ministro alemão de Relações Exteriores, Guido Westerwelle, classificou o polêmico discurso como "absurdo e ofensivo". Westerwelle disse que, apesar do escândalo, ele tem a esperança de que o Irã esteja preparado para voltar à mesa de negociação. "A situação é extraordinariamente difícil, mas é a única chance de o Irã não sofrer sanções", comentou.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que discursou na conferência antes de Ahmadinejad, havia tentado evitar um conflito: "Deixe-me esclarecer uma vez mais: os Estados Unidos e a comunidade internacional procuram uma solução para as nossas diferenças com o Irã, e a porta permanece aberta para a diplomacia, caso o Irã queira usá-la".

Reação à pressão internacional?

Apesar do polêmico discurso, o chamado Grupo 5+1, formado pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e a Alemanha, continua vendo sinais de mudança na atitude do Irã e por isso mantém esperanças de um retorno do diálogo sobre o programa nuclear de Teerã.

Segundo a agência de notícias DPA, muitos observadores acham que, com exceção da afirmação sobre o 11 de Setembro, o discurso do presidente iraniano até foi contido, considerando-se o que ele disse em outras ocasiões.

Para Westerwelle, Teerã está reagindo à pressão internacional: "Acho que a coesão da comunidade internacional não passou despercebida pelas lideranças iranianas".

O último pacote de sanções contra o Irã foi imposto em junho último pelo Conselho de Segurança, também com os votos da Rússia e da China.

NP/dpa/lusa/rts/afp
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais