1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidente do Burundi aparece em público pela primeira vez desde golpe fracassado

Em breve discurso, Pierre Nkurunziza, não comenta tentativa frustrada de derrubá-lo, mas cita ameaças do grupo terrorista Al Shabab. Major-general Godefroid Niyombare, suposto líder do levante, segue foragido.

Com semblante tranquilo, o presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, cumprimentou neste domingo (17/05) os jornalistas presentes no palácio presidencial na capital do país, Bujumbura, no que foi sua primeira aparição pública desde o fracassado golpe militar de quarta-feira.

Nkurunziza deu um breve discurso à multidão, sem mencionar a tentativa de derrubá-lo. Em vez disso, o presidente comentou as supostas ameaças dos militantes da organização terrorista Al Shabab, baseada na Somália e ligada à Al Qaeda, que estariam irritados com o Burundi e outros países africanos por contribuírem com tropas para a junta militar africana que combate os extremistas em território somaliano.

"Temos tomado medidas contra o Al Shabab", disse. "Nós levamos esta ameaça a sério."

O pequeno país africano tem sido abalado há semana por violentas manifestações devido à decisão de Nkurunziza pretender ficar um terceiro mandato consecutivo no cargo de presidente do país. Embora a Constituição do Burundi impeça líderes de servir por mais de dois mandatos, o presidente alega que não foi originalmente eleito por voto popular, mas pelo Parlamento – o que significaria que o primeiro mandato não conta.

Durante a visita do presidente à vizinha Tanzânia na quarta-feira, generais liderados pelo major-general Godefroid Niyombare lançaram uma tentativa de derrubar o governo. O principal aeroporto do país também foi fechado para evitar o retorno de Nkurunziza ao país.

Mas os rebeldes foram

forçados a reconhecer a derrota

na sexta-feira, depois de lutar contra tropas leais ao presidente e de falhar em tomar a emissora estatal.

Após o regresso na sexta-feira, Nkurunziza disse em discurso televisionado que "agora há paz em todo o país" e pediu pelo fim dos protestos.

No sábado, 17 supostos conspiradores, incluindo cinco generais,

compareceram perante a Justiça sob acusações de "tentar derrubar o Estado"

. Niyombare, o suposto líder, disse na sexta-feira que iria se entregar, embora seu paradeiro continua desconhecido. Ao menos 20 pessoas morreram durante os protestos e centenas foram presas.

PV/dpa/afp/ap

Leia mais