1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Presidente da Deutsche Telekom renuncia ante as pressões

Ron Sommer, presidente da gigante alemã das telecomunicações, anunciou sua renúncia. As críticas à sua atuação aumentaram com as desvalorizações da ação da empresa, e o governo acabou pediu sua cabeça.

default

Embora contasse com apoio de várias partes, Ron Sommer jogou a toalha

Após semanas de hesitação e boatos, chegou a hora da verdade para o presidente da Deutsche Telekom, Ron Sommer, que anunciou sua renúncia, nesta terça-feira (16), na tão esperada reunião do Conselho Administrativo da gigante alemã das telecomunicações, em Bonn. "Quando um presidente não conta mais com a plena confiança do Conselho Administrativo, a renúncia é o único passo", justificou Sommer sua decisão.

Do lado de fora da sede da empresa, funcionários fizeram uma manifestação a favor do seu chefe e uma legião de fotógrafos e equipes de tevê esperava ansiosamente por uma definição.

Como insegurança no leme de uma empresa é o que mais temem os mercados financeiros, a ação da Deutsche Telekom teve mais uma desvalorização brutal de 15% na segunda-feira, na Bolsa de Frankfurt. Após o anúncio da renúncia, a ação reagiu com um aumento de até 10% na cotação, mas voltou a cair para a marca de mais 6,12%.

Executivo bem-sucedido e com uma carreira brilhante, Sommer caiu na mira principalmente devido à desvalorização das ações da Telekom, considerada a maior queima de capital da história da Alemanha. Em sua expansão, ela acumulou dívidas de mais de 60 bilhões de euros, inclusive devido à compra de empresas acima de seu valor, segundo os críticos.

Schröder resolveu sacrificar Sommer

O governo alemão, que até há pouco vinha dando força a Sommer, mudou de opinião, passando a exigir sua cabeça. A União ainda detém, direta e indiretamente, 43% das ações da ex-monopolista. Uma alta porcentagem, que inclusive causou dificuldades à Deutsche Telekom nos Estados Unidos, por ocasião da compra da operadora norte-americana de telefonia VoiceStream.

Segundo o empresário Hans-Olaf Henkel, ex-presidente da Confederação das Indústrias Alemãs (BDI), o chanceler federal alemão, Gerhard Scrhöder, teria reagido à provocação do seu adversário nas eleições parlamentares de setembro, Edmund Stoiber, da União Social-Cristã, durante um recente debate. Stoiber cobrou de Schröder uma decisão sobre a Telekom. Em clima de campanha, Schröder lembrou que acionistas também votam e tomou as providências.

Ron Sommer deu a impressão de que lutaria pela presidência e até conseguiu arregimentar apoio em vários setores. Com isso, se no fim de semana sua substituição era tida como certa, nesta terça-feira ninguém ousava opinar o que resultaria da reunião.

Solução provisória - Por um período de seis meses, o cargo deixado vago por Sommer será preenchido por Helmut Sihler, ex-presidente do Conselho Administrativo. O diretor técnico da empresa, Gerd Tenzer, cujo nome estava sendo cogitado nos bastidores, será o vice-presidente. Sua designação, que chegou a ser dada como certa, enfrentou muita resistência, tanto na diretoria como no conselho administrativo. O argumento era de que a empresa, por suas dívidas, mais precisaria de um especialista em finanças e saneamento do que alguém com formação técnica.

Por outro lado, também houve muitas críticas à atuação do presidente do conselho administrativo, Hans-Dietrich Winkhaus, que teria preparado mal a mudança na presidência. Winkhaus chegou a ser considerado um possível bode expiatório, nas inúmeras especulações que circularam nos últimos dias. Ele teria admitido, sem necessidade, a intromissão do chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, e do ministro das Finanças, Hans Eichel, escreve, por exemplo, o diário econômico Handelsblatt.

Os mercados financeiros, onde Ron Sommer goza de boa reputação, certamente lamentarão a saída do executivo nascido em Israel, de mãe russa e pai alemão, que tocou a privatização da empresa, transformando-a no gigante que ela é. Sua renúncia fora exigida pela Associação de Proteção ao Pequeno Acionista. A ação da Deutsche Telekom foi uma das primeiras a difundir em larga escala os títulos de valor na Alemanha. Com a crise geral das telecomunicações na Europa e no mundo - o que exime, em parte, Ron Sommer do débacle da Telekom - três milhões de alemães perderam fortunas.