Presidente da Deutsche Bahn renuncia ao cargo | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 30.03.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Presidente da Deutsche Bahn renuncia ao cargo

Hartmut Mehdorn, presidente da companhia ferroviária alemã Deutsche Bahn, cedeu à pressão da opinião pública e às críticas da classe política, colocando seu cargo à disposição do Conselho de Administração da empresa.

default

Substituto de Mehdorn (foto) poderia ser o atual presidente da Airbus, Thomas Enders

A saída de Hartmut Mehdorn da presidência da companhia ferroviária alemã Deutsche Bahn é para muitos a história de uma demissão anunciada. Até o último momento, ele se recusou a deixar o cargo, aguentando a pressão da opinião pública e as críticas da classe política. Após a apresentação do balanço anual da empresa nesta segunda-feira (30/03), ele finalmente colocou seu cargo à disposição do Conselho de Administração da empresa.

Mehdorn deixa a Deutsche Bahn assegurando não se sentir culpado pelo escândalo da espionagem de seus próprios empregados, que a cada dia adquire proporções maiores. Após fazer nome como executivo de empresas como a Airbus e a energética RWE, Mehdorn assumiu a liderança da Deutsche Bahn em 16 de dezembro de 1999.

Nos quase dez anos que esteve à frente da companhia, seu principal objetivo foi preparar a abertura de capital da empresa pública, a fim de tornar a Deutsche Bahn rentável e capaz de se vender bem. Para isso, enfrentou a ira dos passageiros cansados de ver os preços subindo enquanto os serviços pioravam, greves de maquinistas e problemas envolvendo a manutenção dos trens de alta velocidade ICE.

Mehdorn superou todos os obstáculos. Menos o mais recente: em fevereiro de 2009, cerca de 170 mil funcionários da Deutsche Bahn, dos baixos cargos aos mais altos, foram vítimas de um esquema de espionagem promovido pela empresa. A princípio, falou-se em alguns poucos controles aleatórios em busca de possíveis casos de corrupção, mais tarde se soube que praticamente a metade dos empregados havia sido espionada.

Depois a empresa ainda reconheceu que chegou a comparar dados bancários dos funcionários (muitas vezes também de seus familiares) com os de firmas que possuem contratos com a Deutsche Bahn. Agora já se fala em supervisão de correspondência eletrônica, constituindo o que a imprensa alemã batizou de "tática da fatia", que consiste em admitir publicamente os fatos somente quando novos dados tornam a situação insustentável.

Mehdorn se vai para que a empresa possa se concentrar na busca de soluções para enfrentar a crise econômica, sem consumir toda a sua energia com sua própria pessoa. Um porta-voz informou que o governo alemão "tomou respeitosamente conhecimento da demissão" e que a busca por um substituto começará amanhã mesmo. Segundo o jornal Rheinische Post, o favorito para o cargo seria o atual presidente da Airbus, Thomas Enders.

Autor: Luna Bolívar / Rodrigo Abdelmalack

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais