1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Presidente da DaimlerChrysler enfrenta ira dos acionistas

Jürgen Schrempp foi confirmado na presidência da DaimlerChrysler, após enfrentar duras críticas na assembléia geral. Depois que a Chrysler quase afundou a montadora, agora há problemas também com a Mitsubishi Motors.

default

Jürgen Schrempp confrontado com as dificuldades da expansão da montadora

Em uma turbulenta assembléia geral realizada nesta quarta-feira (07), em Berlim, a maioria dos dez mil acionistas da DaimlerChrysler presentes acabou aprovando a prestação de contas da diretoria, isentando-a de responsabilidade.

Isso apesar das duras críticas aos executivos, especialmente o presidente da montadora, Jürgen Schrempp. A aprovação, porém, por uma maioria de 88,4% foi bem inferior à do ano passado (99,4) - um reflexo do descontentamento. Não obstante, o conselho administrativo prolongou o contrato de Schrempp até 2008.

Destruidor de capital

Pequenos acionistas e, desta vez também os gerentes de fundos de investimentos, criticaram a estratégia global da direção da empresa, diantes das dificuldades enfrentadas com a Chrysler e agora com a Mitsubishi. Nos últimos cinco anos, desde a compra da montadora americana, a ação da DaimlerChrysler teve uma desvalorização de 47%. Uma comparação com o êxito da BMW, que conseguiu valorizar sua ação em 49%, exprime a dimensão do fracasso.

A DaimlerChrysler teve seu valor reduzido em 40 bilhões de euros, pelo que Jürgen Schrempp foi chamado por um acionista de "o maior destruidor de capital da Alemanha". A Associação de Proteção aos Acionistas (SdK) encaminhou uma proposta de resolução para se negar a isenção de responsabilidade à diretoria.

Mais bilhões para a Mitsubishi

Além das falhas no saneamento da Chrysler, os acionistas ficaram alarmados com a situação precária da Mitsubishi Motors, na qual a montadora com sede em Stuttgart tem uma participação de 37%. Recentemente, círculos empresariais divulgaram que a Mitsubishi precisaria de uma injeção de capital de 5,5 bilhões de euros. A soma seria empregada na redução das dívidas, no saneamento da empresa e em novos modelos.

Chrysler Crossfire in Los Angeles

Modelos novos da Chrysler chegam em Los Angeles. A montadora americana acabou se tornando um pesadelo para o grupo de Stuttgart

O prolongamento do contrato de Schrempp e os salários da diretoria da DaimlerChrysler, que somam 40 milhões de euros, também foram questionados. As críticas não se voltaram apenas contra o presidente da montadora, mas também contra o presidente do conselho administrativo, Hilmer Kopper, que durante muitos anos foi o porta-voz do Deutsche Bank.

Sobrou também para o Deutsche Bank

O Deutsche Bank (12%) e investidores do Kuweit são os maiores acionistas da DaimlerChrysler. Schrempp e Kopper são muito amigos, segundo o Financial Times Deutschland, que critica a dominância do Deutsche Bank no controle empresarial da DaimlerChrysler. O diário atribui o "declínio" da empresa a "muitos anos de má administração" e diz que os acionistas já deveriam ter tirado o controle da montadora das mãos do maior banco alemão há muito tempo.

Michael Schneider, gerente do Deka Invest, recusou-se a isentar da responsabilidade o presidente do conselho administrativo, Hilmar Kopper, a quem acusou de um controle deficiente. Ele criticou ainda os prognósticos da empresa, cuja qualidade deixaria a desejar.

Falhou o alarme

Para Klaus Kaldemorgen, gerente do fundo DWS, do Deutsche Bank, a DaimlerChrysler reagiu muito tarde aos erros e problemas. "O alarme deixou de funcionar várias vezes na presidência da montadora", declarou em entrevista à versão online do semanário Der Spiegel.

Kaldemorgen teme que os problemas com a Chrysler e a Mitsubihi comprometam o grupo como um todo. Sua avaliação é preocupante: a DaimlerChrysler teria se tornado vulnerável. Riscos da conjuntura ou turbulências monetárias poderiam agravar rapidamente sua situação e levar ao fracasso a estratégia expansionista de Schrempp.

Schrempp defende-se

O presidente Jürgen Schrempp mostrou uma convicção inabalável em sua estratégia para transformar a fabricante das Mercedes em um global player. Apesar das atuais dificuldades, "não se deve perder a visão do todo. Quando temos um problema operacional, não é o caso de mudar a estratégia", afirmou.

A expectativa é um de um leve aumento do lucro, que foi de 5,1 bilhões de euros no ano passado. Em 2005 e 2006, a empresa espera "uma melhora significativa", quando todos os novos modelos estiverem no mercado. A Chrysler estaria "bem equipada" para o futuro.

Suas vendas vem aumentando há cinco meses, o balanço do primeiro trimestre foi positivo e ela deve dar lucros este ano. Quanto à Mitsubishi, o presidente disse apenas que especialistas estariam examinando se a DaimlerChrysler vai participar do aumento de capital, e com que importância.

Leia mais