Presidente argentina procura apoio junto ao papa Francisco no Vaticano | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 20.09.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Presidente argentina procura apoio junto ao papa Francisco no Vaticano

Esse foi o terceiro encontro entre Cristina Kirchner e Francisco, desde que o Papa argentino assumiu o pontificado. Na próxima semana, Kirchner deve falar sobre a crise argentina em reunião nas Nações Unidas.

Em busca de apoio na luta contra os fundos de hedge, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, almoçou neste sábado (20/09) com o papa Francisco, seu compatriota, no Vaticano. Esse foi o terceiro encontro entre os dois desde que o Santo Padre assumiu o pontificado, em março de 2013.

Kirchner chegou ao Vaticano acompanhada por uma comitiva de 30 pessoas, entre elas o ministro argentino das Relações Exteriores, Héctor Timerman, e o presidente da Câmara dos Deputados, Julián Domínguez.

A presidente trouxe vários presentes para o Papa, incluindo um retrato de Evita, outro do próprio Francisco em estilo Andy Warhol e uma imagem da Virgem de Luján, padroeira da Argentina.

O encontro começou com uma conversa a portas fechadas entre Kirchner e Francisco, de aproximadamente 15 minutos. Após a reunião, os dois almoçaram com a comitiva. Segundo a Rádio Vaticano, o conteúdo da conversa foi "particular".

Crise argentina

Para analistas, o encontro de sábado pode ser interpretado com um respaldo que o Papa dá à presidente argentina na véspera de sua viagem a Nova York para participar da Assembleia Geral da ONU na próxima quarta-feira.

Lá Kirchner pretende falar sobre a briga judicial que mantém com os Estados Unidos, em relação aos fundos de hedge que não aceitaram a redução do pagamento referentes a títulos da dívida argentina.

Antes da visita de Kirchner, Guillermo Karcher, chefe do cerimonial do Vaticano e íntimo de Francisco, afirmou que o Papa estava preocupado com a situação da política da Argentina. "Ele está preocupado com a governabilidade e sobre uma democracia saudável", disse.

A relação entre Kirchner e Francisco nem sempre foi calorosa. Na época em que foi arcebispo de Buenos Aires, o pontífice criticou duramente o governo do então presidente Nestor Kirchner, marido da atual presidente que faleceu em outubro de 2010. Mas, desde que o cardeal Jorge Bergoglio se tornou Papa, a relação entre os dois têm melhorado.

CN/dpa/afp/kna

Leia mais