1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidente alemão na América Latina

Johannes Rau inicia no México viagem por quatro países latino-americanos. O presidente alemão, que estará nos dias 27 e 28 no Brasil, considera São Paulo mais importante que Xangai para a economia alemã.

default

Economia, cultura e futebol na bagagem

Até o próximo dia 29, o presidente da Alemanha terá passado pelo México, Chile, Uruguai e Brasil, sendo este o único país que ele já conhece. No Ministério das Relações Exteriores, em Brasília, Rau participará das festividades dos 40 anos do Acordo Básico Teuto-Brasileiro de Cooperação Técnica, cujos resultados foram sentidos principalmente pelas pequenas e médias empresas e nas áreas de meio ambiente e educação.

Na agenda brasileira do presidente alemão estão ainda encontros com os presidentes da Câmara, do Senado e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, além, é claro, de ser recebido pelo chefe de governo brasileiro. O presidente da Alemanha conhece Luiz Inácio Lula da Silva dos tempos em este era sindicalista.

A visita do chefe de Estado alemão, que não concorre à reeleição no próximo ano, começa nesta terça-feira no México e vai durar dez dias. Viagens oficiais, lamenta, são sempre apressadas. Uma mistura entre hotéis climatizados, conversas sobre política e passeios turísticos, afirma Rau, de 72 anos.

Interesses econômicos Não se espera polêmica de conteúdo político deste giro, ainda mais que a Alemanha considera o Brasil e o México como fundamentos da democracia na região.

Sob o aspecto econômico, a visita é um gesto importante para o México, que busca o apoio europeu para se emancipar dos Estados Unidos e do Nafta, assim como para os países do Mercosul, que querem incrementar o comércio com a União Européia, destaca o encarregado da bancada social-democrata para a América Latina, Lothar Mark.

Segundo o diretor da Associação Ibero-América de Hamburgo, atualmente há duas mil empresas alemãs na América Latina, das quais 1200 no Brasil. Um potencial a ser melhor aproveitado, diz Frank Westermann, "pois as transações com a América Latina representam apenas 3% na balança comercial alemã, o mesmo que a pequena Suíça".

O presidente Rau está convicto de que, às portas da ampliação da União Européia com a entrada de uma série de jovens democracias ─ como a Polônia e a Bulgária ─, o velho continente pode ser um parceiro útil à América Latina. No que acredita também a secretária-adjunta do Ministério das Relações Exteriores, que acompanha o presidente alemão. Kerstin Müller, do Partido Verde, aposta no curso de reformas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Interesses culturais

Outra prioridade da viagem é o intercâmbio cultural. A falta de verba e o fechamento de vários institutos Goethe ameaçam a divulgação da cultura alemã na região, por isso Johannes Rau pretende se engajar especialmente pela divulgação do seu idioma.

Como não poderia deixar de ser, o bom filho de pastor luterano também pretende visitar bairros pobres e se informar sobre projetos eclesiásticos na periferia de grandes centros urbanos.

Em comum com o Brasil, a Alemanha também tem a paixão pelo futebol. Por isso, Rau não esconde a alegria de estar sendo acompanhado pelo cineasta Sönke Wortmann, diretor do filme O Milagre de Berna.

A obra, lançada nos cinemas em outubro, enfoca a conquista da primeira Copa do Mundo pela Alemanha, em 1954. O presidente alemão pretende ver o filme com crianças numa escola no México e, no Brasil, com o presidente Lula.

Leia mais