1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidente alemão adverte contra ação unilateral dos EUA

Johannes Rau engrossa o coro do governo alemão e da ONU contra uma ofensiva dos Estados Unidos no Iraque, a pretexto de combater o terrorismo internacional.

default

Kofi Anann e Johannes Rau (de pé) com o governador Wolfgang Clement

O presidente da Alemanha, Johannes Rau, assumiu a posição do secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e advertiu para uma ação unilateral dos Estados Unidos contra o Iraque. No seu discurso durante o banquete que ofereceu a Annan, no castelo Bellevue, em Berlim, nesta quarta-feira (27), o chefe de Estado alemão destacou que a situação política internacional fez aumentar a importância das Nações Unidas.

O chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, também já disse esperar que o governo do presidente George W Bush mantenha a coalizão internacional na luta antiterror.

Em visita a Londres há dois dias, Annan advertiu contra uma ofensiva unilateral dos EUA no Iraque. Ele disse que um ataque militar não seria uma atitude inteligente. Está sendo aguardado com muita expectativa o discurso que o secretário-geral da ONU pronunciará no Parlamento alemão nesta quinta-feira.

Num discurso duas semanas atrás, em Detroit, o presidente alemão lembrou que após os atentados de 11 de setembro nasceu a esperança de um tempo de pluralismo. Tal esperança foi alimentada, segundo ele, pela paciência revelada pelos Estados Unidos na formação da coalizão internacional contra o terrorismo, por meio de consultas aos aliados, depois dos atentados que destruíram o World Trade Center e parte do Pentágono.

Annan iniciou uma visita de três dias à Alemanha, nesta quarta-feira, assinando, em Bonn, um acordo para ampliar as instituições da ONU na ex-capital alemã. O documento firmado pelos ministros alemães das Finanças, Hans Eichel, e da Defesa, Rudolf Scharping, prevê o uso do antigo plenário do Parlamento e do prédio onde ficavam os gabinetes dos deputados para conferências internacionais da ONU.