1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidente afegão acusa Paquistão após novo ataque em Cabul

Presidente afegão acusa país vizinho de apoiar insurgentes e pede que suas atividades sejam reprimidas por Islamabad. Talibã reivindica autoria de atentado que deixou cinco mortos perto do aeroporto de Cabul.

O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, exigiu que o Paquistão reprima o Talibã após a explosão de um carro-bomba perto do aeroporto de Cabul, reivindicada pelos insurgentes, matar cinco pessoas nesta segunda-feira (10/08). O incidente é o mais recente de uma

série de ataques suicidas na capital afegã

.

Num discurso televisionado, Ghani acusou o governo paquistanês de apoiar os talibãs, cuja guerra contra Cabul está chegando ao 14º ano. O presidente afegão disse que, ainda esta semana, enviará uma delegação ao país vizinho para exigir o fim do apoio.

"Sabemos que eles são ativos lá. Precisamos que todas essas atividades parem", disse Ghani, referindo-se a líderes do Talibã que vivem no Paquistão. O presidente pediu que o país vizinho aja contra as fábricas de bombas e os campos de treinamento de ataques suicidas em seu território. Não houve resposta imediata de Islamabad, que já negou anteriormente apoiar os insurgentes.

Os recentes ataques em Cabul, que mataram dezenas e feriram centenas de civis, ocorrem na sequência da troca na liderança do Talibã. Os atentados frustam as esperanças de uma retomada imediata das negociações de paz com o governo, ao sugerirem que o

novo líder talibã, o mulá Akhtar Mansour

, está enviando uma mensagem de que não haverá trégua na insurgência.

Desde que assumiu a presidência, há um ano, Ghani vem buscando uma aproximação com o Paquistão na esperança de que o vizinho pressione o Talibã a participar de negociações. "Tínhamos esperança de paz, mas a guerra foi declarada contra nós a partir do território paquistanês", disse.

Além dos cinco mortos, o ataque suicida desta segunda-feira deixou 16 feridos, entre eles uma mulher e uma criança, segundo as autoridades afegãs. O Talibã reivindicou responsabilidade, afirmando que tinha "forças estrangeiras" como alvo e negando que civis afegãos tenham sido mortos.

Segundo um policial que estava no local do ataque, a intenção parece ter sido atingir dois carros blindados, mas não está claro quem estava dentro deles. O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, disse que os ocupantes dos veículos eram estrangeiros e que todos foram mortos.

LPF/rtr/ap

Leia mais