Presidência sueca da UE priorizará mudanças climáticas, diz premiê | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidência sueca da UE priorizará mudanças climáticas, diz premiê

Suécia assume presidência rotativa do Conselho da União Europeia no próximo semestre. Em entrevista à Deutsche Welle, primeiro-ministro sueco Fredrik Reinfeldt fala sobre objetivos de seu país à frente da UE.

default

Fredrik Reinfeldt acredita que seu país vai introduzir o euro, no futuro

No contexto do encontro de cúpula de chefes de Estado e governo da União Europeia (UE), que se encerrou nesta sexta-feira (19/06) em Bruxelas, a Deutsche Welle entrevistou o primeiro-ministro sueco Fredrik Reinfeldt, que assumirá a presidência do Conselho da União Europeia a partir de 1° de julho próximo. A Suécia sucederá à República Tcheca à frente da presidência rotativa do Conselho. O mandato é de seis meses.

Deutsche Welle : Sr. primeiro-ministro, durante a cúpula da UE, os chefes de Estado e governo do bloco indicaram José Manuel Durão Barroso para um segundo mandato como presidente da Comissão Europeia. No entanto, ele não tem maioria no Parlamento Europeu. A decisão dos líderes europeus foi errada?

Fredrik Reinfeldt : Bem, ele desfruta de amplo apoio por parte dos chefes de Estado e governo, mas nós precisamos também do apoio do Parlamento Europeu. A atual presidência tcheca do Conselho da UE e eu estamos em negociações com esses grupos parlamentares. Nós devemos ter em mente que, com as eleições europeias recém encerradas, a liderança de tais bancadas ainda não foi decidida, e eu espero que tenhamos diálogos construtivos.

A Europa precisa de liderança, precisa de respostas a questões sobre mudanças climáticas, sobre crise financeira. Nós não estamos precisamos de discussões prolongadas sobre quem devemos nomear em uma situação na qual temos somente um candidato.

Em poucos dias, o senhor assumirá a presidência temporária da União Europeia. Qual o seu principal objetivo político?

Na verdade, eu tenho dois. Em primeiro lugar, encontrar uma resposta global às mudanças climáticas. Nessa área, a Europa já demonstrou capacidade de liderança, mas sem uma resposta global não poderemos resolver o problema. O segundo objetivo é a crise financeira, que ainda afeta a Europa e todo o mundo. Estamos perdendo postos de trabalho e devemos fazer mais para conseguir estabilidade nos mercados financeiros e combater o desemprego.

Nessa crise profunda, diminui a disposição dos Estados de investir em proteção ambiental. O que pretende fazer para que a proteção ambiental torne-se novamente popular?

Acredito que, no futuro, o crescimento será uma combinação de competitividade e capacidade de reduzir as emissões de CO2. Essa é a resposta que a China está precisando, essa é a resposta para a Europa. Muitos dos atuais investimentos preparam-se para o período após a crise. É muito importante que investimentos sejam efetuados de forma a nos proporcionar eficiência energética, empregos e soluções verdes, e já agora.

Nesse contexto eu lembro a conferência sobre o clima em Copenhague, como também a solução que lá iremos procurar. Essa valerá para o período após 2012. Ou seja, para a época pós-Protocolo de Kyoto. E só resta agora esperar que a economia europeia esteja em melhor forma em 2012.

O senhor está contente com a atitude que os europeus tomaram diante do colapso dos mercados financeiros?

Sim. No início, vimos países que tentaram resolver os problemas por si. Dessa experiência, aprendemos que a solução encontrada por um país poderia, muito rapidamente, tornar-se um problema para o país vizinho. Ao iniciarmos a aplicação de soluções europeias coordenadas, acredito que encontramos o caminho certo.

Já coordenamos a distribuição de garantias para o setor bancário e programas conjunturais de apoio à economia, agora coordenamos a supervisão financeira. Ela já funciona, parcialmente, mas acredito que ainda temos que fazer muito mais. Nós aprendemos que devemos encontrar soluções transnacionais, pois papéis tóxicos e crises não são mais problemas nacionais no dias de hoje.

Em termos de supervisão dos mercados financeiros, o Reino Unido não quer institui ções europeias fortes. Os esforços por uma nova supervisão financeira europeia não mostram que é difícil evitar uma volta ao nacionalismo?

Deve haver uma combinação de instâncias de controle nacionais e europeias. Acredito que, na situação atual, conseguimos chegar a uma nova fase. Percebemos que precisamos de uma supervisão financeira europeia. Aproveitaremos o tempo da presidência sueca da UE para preparar os [respectivos] projetos de lei, que deverão estar disponíveis até dezembro próximo. O atual texto constata, claramente, que precisamos de uma combinação de mecanismos de controle nacionais e transnacionais.

Economistas de todo o mundo estão de acordo em dizer que o euro é e foi o fator decisivo para a estabilidade da Europa nesta crise. O senhor concorda?

O euro, o pacto de estabilidade e crescimento, a abertura dos mercados, a regulação das ajudas estatais. O conjunto de tudo isso ajudou a Europa a se afirmar diante da crise e da recessão. Sem essas medidas, teríamos uma guerra comercial europeia com problemas bem maiores do que os que vimos até agora.

Mas o senhor é o chefe de governo de um país cuja moeda não é o euro. Muitos na Europa se perguntam quando a Suécia vai introduzir a moeda europeia?

Em 2003 tivemos um referendo no qual a grande maioria dos suecos rejeitou o euro. Eu teria preferido que o resultado tivesse sido "sim", porque acredito firmemente no euro. Mas temos que aceitar a vontade do povo sueco. Para que haja um novo referendo, é necessário que as pesquisas de opinião mostrem que o euro é apoiado por uma clara maioria e conta, ao mesmo tempo, com o amplo apoio dos partidos suecos. Esse não é o caso, no momento.

Mas essa pergunta será feita, no futuro, novamente à população. Entre os cidadãos suecos, já notamos agora uma tendência em direção a uma opinião positiva – talvez uma reação à crise financeira.

E isso é justamente o que falamos anteriormente. A crise financeira atinge principalmente aqueles que têm uma moeda pequena e que são vizinhos de países com uma moeda forte como o euro. Foi justamente o que acabou de acontecer novamente com a moeda sueca. No futuro, a pergunta será feita novamente, mas primeiro precisamos conseguir mais clareza entre os eleitores suecos.

Outro grande tema da presidência sueca será a reforma da UE. O Tratado de Lisboa ainda não foi ratificado por todos. Em que país estão as maiores ameaças para esse tratado?

É um longo caminho. Nós demos agora um bom passo à frente, porque formulamos as garantias legais para a Irlanda. Existem ainda três presidentes na Europa que devem assinar o tratado. Quanto tudo estiver consumado, o Tratado de Lisboa poderá entrar em vigor e, assim, a União Europeia poderá funcionar melhor. Então poderemos empregar mais energia política em temas que são importantes para os meus eleitores: as mudanças climáticas e a crise financeira.

Autor: Christian Trippe

Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais