Presidência alemã da UE quer tornar Europa mais segura | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 03.01.2007
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Presidência alemã da UE quer tornar Europa mais segura

"Vida segura na Europa" é tema do programa de trabalho apresentado pelo ministro alemão do Interior, Wolfgang Schäuble, para política interna do continente europeu durante a presidência rotativa alemã da União Européia.

default

Ministro Schäuble quer a volta da Lei da Segurança Aérea

Como presidente do Conselho de Ministros europeus do Interior, o alemão Wolfgang Schäuble (CDU) apresentou nesta quarta-feira (03/01), em Berlim, seu programa de trabalho de política interna para a presidência alemã da União Européia durante o primeiro semestre de 2007.

Entre os pontos principais de seu programa, que, segundo o ministro, tem por tema "a vida segura na Europa", estão a luta contra o terrorismo e o crime organizado, a maior cooperação para além das fronteiras, a migração controlada e o combate à imigração ilegal.

Alguns pontos do programa de trabalho do ministro e sua sugestão de modificação da Constituição alemã para aprovação da Lei da Segurança Aérea vêm, entretanto, provocando reações negativas da imprensa e de organizações de Direitos Humanos na Alemanha.

Europol deverá ser fortalecida

Das Europol Gebäude in Den Haag

Sede da Europol em Haia, na Holanda

Para um combate mais efetivo à criminalidade pesada e ao terrorismo, Schäuble exortou a necessidade de ampliação das possibilidades operacionais da Europol, a Polícia Européia, ao apresentar seu programa em Berlim.

No futuro, a Europol deverá ser a responsável pelo combate de todas as formas de delitos sérios que atravessem as fronteiras dos Estados europeus. Como exemplo, o ministro citou os assassinos em série, ativos em vários países, e a criminalidade dos hooligans em eventos esportivos.

Digitais fora de moda

O ministro anunciou uma maior integração dos sistemas de informação da polícia e outros órgãos administrativos. Schäuble afirmou considerar fora de época o fato de os arquivos europeus de impressões digitais dos requerentes de asilo só poderem ser usados no processo do julgamento de asilo e não no combate à criminalidade.

O controle da imigração legal deverá, na opinião do ministro, continuar competência dos diferentes Estados, que deverão considerar o aumento de suas quotas de imigração, o que poderá ser coordenado dentro da União Européia.

Modificação da Constituição

Bundesinnenminister Wolfgang Schäuble

Para Schäuble, querer é poder

Wolfgang Schäuble defendeu, recentemente, uma modificação na Constituição alemã para a reativação da Lei da Segurança Aérea, que permite o abate de aviões de passageiros usados como arma por terroristas.

"Quando se quer regulamentar, pode-se regulamentar", afirmou Schäuble nesta quarta-feira (03/01) em Berlim. A regulamentação da lei seria agora uma questão política, declarou o ministro.

Em fevereiro do ano passado, o Tribunal Superior Federal de Karlsruhe derrubou a Lei da Segurança Aérea, que permitia o abate de aviões seqüestrados, por considerá-la inconstitucional.

Na defesa da proposta do ministro, o porta-voz de política interna da bancada da CDU/CSU, Hans Peter Uhl, afirmou ser impossível para a polícia derrubar aviões terroristas e, até agora, o Exército não pode fazê-lo. Isto seria uma lacuna legal que o governo teria obrigação de fechar e faria parte do acordo fechado entre os partidos da grande coalizão.

Reações negativas às propostas do ministro

Schäuble recebeu duras críticas da organização alemã de Direitos Humanos Pro-Asyl quanto à política de imigração. A organização apela à presidência alemã da UE para não confundir o tema asilo e imigração com combate ao terrorismo e criminalidade e acusa o ministro de desconsiderar os Direitos Humanos e a proteção dos refugiados.

Polizisten am Frankfurter Bahnhof

Para Freiberg, segurança interna é coisa de polícia

O sindicato dos policiais alemães critica Schäuble por tentar contornar, de forma subliminar, a decisão do Tribunal Superior Federal quanto à Lei da Segurança Aérea e delegar ao Exército tarefas de segurança interna que cabem à polícia. "Os reais problemas da segurança aérea na Alemanha são o controle nos aeroportos e as condições de trabalho dos agentes policiais que atuam em vôos", afirmou Konrad Freiberg, presidente do sindicato.

Imprensa atenta

A imprensa também não poupou o ministro. Em sua edição de terça-feira (02/01), o Financial Times Deutschland classificou como obsessão a proposta da Lei da Segurança Aérea.

O FTD afirmou que Schäuble não conseguiria a maioria necessária para a mudança constitucional, o que também tiraria do ministro a possibilidade de acalentar os alemães em uma falsa segurança.

"Uma sociedade livre deve viver com o perigo do terrorismo, a não ser que ela queira a ele se entregar de forma quase profilática", afirma o jornal.

Leia mais