1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Preservação da arte digital desafia museus

Há anos trabalhos digitais fazem parte do acervo de museus, tendência que tende a se expandir. Mas sua preservação ainda é árdua, sendo agora tema de exposição no Centro de Arte e Tecnologia de Mídia (ZKM) de Karlsruhe.

Trabalhos 'Augentauschen', de Heiner Blum

'Augentauschen', de Heiner Blum

Quem visitar o Centro de Arte e Tecnologia da Mídia (ZKM, na sigla em alemão) em Karlsruhe, na Alemanha, tem a oportunidade de conhecer uma enorme variedade de trabalhos de arte digital. Uma parede com 50 monitores de televisão piscam como se alguém estivesse constantemente zapeando pelos canais.

Perto dali, é possível pedalar uma bicicleta através de um mundo virtual, seguindo em meio a palavras projetadas em uma enorme tela. Os visitantes também podem usar um iPhone para criar pinturas aleatórias.

Apesar das diferenças sobre quando, como e por que foram criados, os trabalhos da exibição intitulada Trabalhos de Arte Digital: Os desafios da Conservação têm pelo menos uma coisa em comum: todos correm o risco de desaparecer.

"Nos últimos 10 anos tivemos que perceber que a possibilidade de apresentar estes trabalhos de arte está se reduzindo cada vez mais, que estamos perdendo a chance de mostrá-los ao público", conta Bernhard Serhexe, curador da mostra.

A exibição traz 10 estudos de caso, resultantes de um projeto suíço-franco-alemão, que vem testando diferentes estratégias para preservar a arte digital. Há inúmeras questões que ainda precisam ser superadas, segundo os envolvidos.

Ausstellung Digital Art Works

Instalação 'Karlsruhe Moviemap', de Michael Naimark

Peças obsoletas

Um exemplo na mostra é particularmente visível. "Os aparelhos de televisão datam dos anos 90, e eles não mais existem no mercado", afirma Serhexe.

Para evitar problemas com hardwares obsoletos, o ZKM, assim como outras instituições, estão estocando desesperadamente peças de reposição. Recentemente, por exemplo, eles adquiriram mil aparelhos antigos de tevê.

Uma visita ao depósito do museu, repleto de engenhocas e de peças antigas, é uma verdadeira viagem pelo tempo. "Temos um monte de objetos aqui, como velhos computadores Macintosh, interfaces digitais para instrumentos musicais MIDI, e também equipamentos de som como caixas de som 'ultrasonic speakers' e outros componentes, como controles usados na tecnologia de interface no museu", conta Martin Häberle, técnico-chefe do centro.

Häberle e seus colegas estão sempre buscando peças antigas no site de compras eBay e por meio de vendedores especialistas em eletrônicos. Mas ele acredita que em algum momento as peças vão acabar, aumentando a preocupação sobre como manter os trabalhos artísticos funcionando.

"Temos softwares de décadas atrás que não funcionam nos novos equipamentos de hardware. O que poderemos fazer para manter estes softwares antigos funcionando?", questiona o técnico.

A morte da arte imortal

Uma solução seria reescrever o código fonte, mas contratar programadores para fazerem isso sairia, em alguns casos particulares, bem caro. Diante do fato de que aparelhos eletrônicos estão em constante avanço, assim como sistemas operacionais e formatos de armazenamento de dados, levanta-se a questão se os artistas deveriam se dedicar a criar trabalhos digitais que tenham potencial de durar mais.

Instalação Bar Code Hotel (1994) de Perry Hoberman

Instalação 'Bar Code Hotel', de Perry Hoberman

Esta é uma sugestão que Bernd Lintermann rejeita totalmente. Além de chefe do Instituto de Mídia Visual no ZKM, Lintermann também é um artista que escreve seus próprios programas para criar complexos mundos virtuais usando sons e imagens 3D.

"Eu crio usando os recursos disponíveis da melhor maneira possível. Pensar no futuro me limita, me limita em relação ao que pode ser, ao que é meu pensamento sobre o futuro", diz Lintermann.

Mais dinheiro e mais pesquisas

Essa é uma visão muito diferente daquela de muitos outros artistas, que esperam que seus trabalhos possam alcançar algum tipo de imortalidade. "Diferentemente da pintura e da escultura, que você pode sempre renovar e resgatar o original, acho que na arte digital isso tem um limite, que é alcançado geralmente quando o artista responsável pelo trabalho morre", afirma.

Para Serhexe, isso também significaria que o mundo enfrenta a perda de algumas de suas artes da contemporaneidade mais inventivas e inovadoras. Mais dinheiro e mais pesquisas são urgentemente necessários para encontrar maneiras de preservar esses itens culturais da história.

No momento, visitantes podem admirar a mostra sobre conservação de arte digital no ZKM de Karlsruhe até 12 de fevereiro de 2012. Depois ela deve passar por outras cidades da Borgonha e Estrasburgo, na França.

Autora: Kate Hairsine (msb)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais