1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Premiado em Brasília, "Outro Sertão" retrata Guimarães Rosa na Alemanha nazista

Documentário de Soraia Vilela e Adriana Jacobsen resgata a experiência do escritor como vice-cônsul do Brasil em Hamburgo entre 1938 e 1942. Trabalho de pesquisa foi premiado no 46º Festival de Brasília.

default

Assinatura de Guimarães Rosa em sua função como vice-cônsul em Hamburgo

João Guimarães Rosa é conhecido, entre literatos de todo o mundo, como um dos mais importantes escritores da Língua Portuguesa. Mas o que poucas pessoas sabem é que, antes de escrever clássicos como Grande Sertão: Veredas, o autor mineiro atuou como vice-cônsul na Alemanha nazista, entre 1938 e 1942.

A curiosidade a respeito dessa estadia e da visão de um ilustre brasileiro vivendo na Alemanha durante tão conturbado período levou as cineastas Soraia Vilela e Adriana Jacobsen, ambas colaboradoras da Deutsche Welle, a realizarem o documentário Outro Sertão, vencedor do prêmio especial do júri pelo trabalho de pesquisa no 46º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, que acabou na última terça-feira (24/09).

Imagens de arquivo da época, documentos, relatos e entrevistas relevam novos aspectos da biografia do escritor, que auxiliou judeus em fuga da Alemanha emitindo vistos para o Brasil. Testemunhos de alguns desses sobreviventes também fazem parte do filme, que recria a experiência de Guimarães Rosa no período.

Em entrevista à DW Brasil, as diretoras falaram da década de pesquisa para a realização do documentário, da descoberta da entrevista inédita que o escritor concedeu à TV alemã e da identificação com a história de um brasileiro que, como elas, também viveu na Alemanha.

Brasilianischer Autor João Guimarães Rosa

Guimarães Rosa auxiliou judeus a fugir da Alemanha nazista emitindo vistos para o Brasil

DW Brasil: Como vocês entraram em contato com a história de "Outro Sertão" e como surgiu a ideia de transformá-la em um documentário?

Soraia Vilela: A ideia surgiu de uma reflexão descompromissada sobre a passagem de Guimarães Rosa pela Alemanha. Sabendo que ele havia vivido como diplomata no país e ainda em pleno regime nazista, fomos movidas pela curiosidade a respeito de rastros, de vestígios desse período. E obviamente interessadas também em sua condição de estrangeiro, semelhante à nossa – tanto Adriana quanto eu vivemos por muito tempo na Alemanha. No meu caso, ainda com a origem em comum: Minas Gerais.

Adriana Jacobsen: Antes de me mudar para a Alemanha lembro de ter lido Ave Palavra, que traz relatos da estadia de Rosa em Hamburgo. Mas o interesse pela pesquisa surgiu quando eu já vivia há muitos anos em Berlim. Com o desenrolar da pesquisa, percebemos que tudo era muito mais profundo e complexo do que prevíamos.

Vocês poderiam falar um pouco sobre o processo de pesquisa e desenvolvimento do roteiro? Como foi mergulhar nesse material?

Vilela: Fomos "tateando" aos poucos, numa pesquisa que durou uma década. Visitamos incontáveis arquivos na Alemanha, no Brasil, em Israel e Portugal. E encontramos ainda, supreendentemente, um dossiê da Gestapo sobre Guimarães Rosa, dando provas de sua aversão explícita ao regime nazista. Os relatos de sobreviventes da época, ou seja, judeus que haviam deixado a Alemanha com vistos expedidos pelo consulado brasileiro em Hamburgo, também foram de extrema relevância para o desenvolvimento do projeto.

Jacobsen: Logo percebemos que tínhamos em mãos um material riquíssimo. Encontramos a protagonista do conto O Mau Humor de Wotan, do livro Ave, Palavra, e fizemos com ela uma entrevista. Essa senhora já tinha mais de 90 anos, morava em Hamburgo, e desconhecia ter sido protagonista do conto escrito por Guimarães Rosa. Ela nem mesmo sabia que ele tinha se tornado escritor. Achamos também uma entrevista inédita concedida por Guimarães Rosa ao crítico literário Walter Höllerer, que estava perdida nos arquivos de uma emissora alemã de TV. São praticamente as únicas imagens em movimento do escritor – um valor inestimável para o Brasil.

Pressebilder Dokumentarfilm Outro Sertão

O trabalho de pesquisa das cineastas Adriana Jacobsen e Soraia Vilela durou uma década

Como se deu a descoberta desta entrevista inédita concedida por Guimarães Rosa à televisão alemã?

Vilela: Numa busca geral no Arquivo Radiofônico Central Alemão, nos deparamos com essas imagens de Guimarães Rosa, mas de início não imaginávamos que se tratava de um material em tão boa qualidade, nem de uma entrevista exclusiva realizada com ele no estúdio da emissora de TV. É importante lembrar também que essas imagens nunca foram ao ar, pois o programa-piloto, de entrevistas com escritores conceituados, acabou não vingando. E essas imagens, feitas em 1962, ficaram décadas guardadas num arquivo morto até serem resgatadas pelo nosso documentário.

Jacobsen: A descoberta da entrevista foi um momento decisivo para nós: ali percebemos que deveríamos fazer um filme e não publicar um livro sobre o assunto. Essa entrevista é definitivamente um grande "trunfo" do filme.

Foi um desafio transpor essa riqueza de material – imagens e sons – que constituem o documentário?

Jacobsen: Acabamos por reunir mais de 120 horas de material. Pretendemos inclusive transformar posteriormente parte do que não utilizamos no documentário em curtas-metragens.

Vilela: Optamos por dividir o filme em capítulos para podermos abarcar toda uma avalanche de temas: a entrevista inédita, a documentação da Gestapo e as dezenas de depoimentos de sobreviventes, entre outros. Temos intenção de disponibilizar, quando possível, grande parte deste material em site, publicação em livro ou DVD, pois será certamente de grande valia para pesquisadores da vida e obra do escritor.

Na opinião de vocês, as experiências de Guimarães Rosa na Alemanha influenciaram sua obra? De que maneira isso se deu?

Jacobsen: Toda experiência na vida de um autor influencia certamente sua obra. O escritor pode ser visto como uma espécie de "colecionador" e Guimarães Rosa era obcecado por coletar palavras, idéias, experiências da cultura alemã. Antes de chegar à Alemanha ele havia escrito apenas Sagarana, que foi revisado por ele nos anos em Hamburgo. Ou seja, é de se supor que o período vivido na Alemanha tenha sido de extrema importância para a construção de sua obra posterior.

Pressebilder Dokumentarfilm Outro Sertão

Ellen Kazaschinsky relembra ajuda prestada por Guimarães Rosa à sua mãe

Vilela: Como salienta o professor Wander Melo Miranda no documentário, Grande Sertão: Veredas é também um livro de guerra. Mas acredito que além desse viés da guerra, que pode ser perfeitamente associado à vivência na Alemanha naquele momento, há na obra de Guimarães Rosa também muito da experiência do estranhamento do estrangeiro, tão marcada pela dualidade entre o recuo e o avanço, a ação e a espreita, a compreensão e a interrogação, o medo e a coragem. Uma temática presente não só em Grande Sertão: Veredas, mas em diversas outras obras do autor.

Tendo vivido por tanto tempo na Alemanha, vocês poderiam dizer quão pessoal foi tratar de temas que não estão apenas ligados à história, mas também à relação entre as culturas dos dois países?

Jacobsen: Esse filme só foi possível porque vivíamos na Alemanha há vários anos quando começamos o projeto. O conhecimento da cultura, do idioma, nos proporcionou acesso a diversas fontes herméticas para estrangeiros. A compreensão da experiência de ser estrangeiro na Alemanha e da história do país foi fundamental no processo de construção do filme.

Vilela: Nossas experiências de vida como estrangeiras na Alemanha – mesmo que distintas – permeiam obviamente a forma de abordar o assunto, a seleção de imagens, de sons, a escolha de citações e momentos. E acredito que a perspectiva inversa também seja importante neste contexto: um diretor alheio à cultura brasileira que fosse se debruçar sobre o tema certamente não teria o olhar que nós, brasileiras na Alemanha, tivemos. Compartilhar com o Guimarães Rosa daquela época esse "estado", essa condição de estrangeiro neste país, foi nosso ponto de partida e nossa "âncora" no desenrolar do projeto.

Leia mais

Links externos