1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Premiê da Ucrânia acusa Rússia de agressão militar sem motivos

Durante reunião de emergência do Conselho de Segurança, premiê ucraniano pede que Moscou retome o diálogo para resolver a crise. Diplomata russo nega intenções bélicas do Kremlin, mas não comenta proposta de negociações.

O primeiro-ministro interino da Ucrânia, Arseniy Yatsenyuk, acusou a Rússia de conduzir uma agressão militar na Crimeia. Durante reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, na noite desta quinta-feira (13/03), o ucraniano questionou se Moscou quer uma guerra na região.

"Esta agressão não tem motivos", afirmou Yatsenyuk. Segundo ele, o uso de tanques e artilharia da Rússia na Crimeia não é a maneira adequada para resolver a crise. "Isso é absolutamente inaceitável no século 21."

O premiê ainda ressaltou os laços amigáveis que a Ucrânia tem mantido com a Rússia durante as últimas décadas e pediu que o Kremlin retome o diálogo para resolver o conflito.

As acusações de Yatsenyuk foram prontamente respondidas pelo embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin. "Nem a Rússia nem os russos querem guerra, e tenho certeza de que os ucranianos também não querem", disse o diplomata.

Der russische Botschafter bei der Uno Witali Tschurkin

Churkin afirmou que os russos não querem a guerra

Churkin, no entanto, não respondeu aos pedidos de Yatsenyuk de retomada das negociações. Em vez disso, o diplomata sugeriu um retorno ao plano firmado em 21 de fevereiro por líderes da oposição e o presidente deposto Viktor Yanukovytch, que previa a formação de um novo governo e a realização de eleições antecipadas na Ucrânia. Na época, a Rússia se recusou a assinar o acordo.

O diplomata russo também defendeu o direito da Crimeia de realizar no próximo domingo um referendo sobre uma possível anexação à Rússia.

Churkin ainda ridicularizou declarações feitas por outros diplomatas que, segundo ele, impõem uma imagem ruim ao seu país. "Se não fosse pela malvada Rússia, todos na Ucrânia teriam vidas longas e felizes", ironizou.

Um pouco antes do encontro do Conselho de Segurança, os EUA fizeram circular um rascunho de resolução que reafirma o compromisso do órgão com a "soberania, independência, unidade e integridade territorial da Ucrânia".

O documento, obtido pela agência de notícias Associated Press, pede que todas as partes envolvidas tentem seguir o caminho da paz na solução da crise.

Em seu discurso diante do Conselho, Yatsenyuk ainda ressaltou que a situação de conflito vai além das fronteiras de seu país e lembrou que a Ucrânia – que tinha o terceiro maior arsenal nuclear do mundo – abandonou suas armas em 1994 em troca da garantia de sua integridade territorial, soberania e independência.

"Depois dessas ações, será muito difícil convencer qualquer um no mundo a não ter armas nucleares", disse o premiê.

RM/afp/ap/dpa

Leia mais