1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Premiê australiano é forçado a deixar o cargo

Tony Abbott é removido da liderança de seu partido após votação interna e obrigado a abandonar a chefia do governo. Malcolm Turnbull, ex-banqueiro de postura moderada, será o novo líder da Austrália.

O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, foi forçado a deixar o cargo nesta segunda-feira (14/09), após perder uma votação sobre a liderança de seu partido para Malcolm Turnbull, ex-ministro das Comunicações, que será o novo líder do país.

Abbott, que chegou ao poder após se consagrar nas eleições gerais de 2013, foi obrigado a passar por uma votação interna de sua sigla, o Partido Liberal, após Turnbull declarar que a coalizão governista sofreria derrotas caso não houvesse uma mudança na liderança. Na votação, 54 se manifestaram a favor da saída de Abbott, e 44, contra.

A ministra do Exterior, Julie Bishop, que juntamente com Turnbull havia pedido antes da votação para que Abbott deixasse o cargo, continua como vice-líder do partido. As regras do Parlamento australiano estabelecem que o líder da coalizão governista, que tem o Partido Liberal como sigla majoritária, assume também o cargo de primeiro-ministro do país.

Australien Parteien Malcolm Turnbull

Malcolm Turnbull, novo primeiro-ministro da Austrália, tem postura bem mais moderada que Abott

Abbott vinha sendo alvo de questionamentos em relação ao fraco desempenho da economia australiana, além de ter enfrentado uma crise relacionada à política orçamentária do país, com o Senado bloqueando diversas partes essenciais da agenda financeira do governo.

O ex-banqueiro Turnbull, de 60 anos, é conhecido por sua postura moderada, em contraste com o conservadorismo de Abbott. Ao contrário de seu antecessor, o novo líder apoia o casamento gay, defende que a monarquia britânica seja substituída na chefia do Estado por um presidente eleito, além de ser favorável a políticas para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa na atmosfera.

As próximas eleições nacionais, anteriormente marcadas para janeiro de 2017, deverão ser antecipadas para o ano que vem

RC/afp/ap

Leia mais