Premiê anuncia que irá antecipar eleições parlamentares na Irlanda | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 22.11.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Premiê anuncia que irá antecipar eleições parlamentares na Irlanda

Após pedido de ajuda, premiê irlandês anuncia que dissolverá Parlamento assim que o orçamento de 2011 for aprovado. UE e FMI pressionam Dublin para reestruturar sistema bancário, promover cortes e elevar impostos.

default

Primeiro-ministro Cowen, agora na mira dos próprios aliados

Nesta segunda-feira (22/11), o primeiro-ministro irlandês, Brian Cowen, anunciou que antecipará as eleições parlamentares em seu país. Cowen disse que irá dissolver o Parlamento em Dublin assim que o orçamento de 2011 for aprovado. A votação do orçamento está planejada para janeiro de 2011. Cowen descartou, todavia, um pedido de renúncia imediata de sua parte.

Após o pedido de ajuda financeira, também o governo irlandês passou a estar em crise. Dois deputados independentes da coalizão do primeiro-ministro irlandês ameaçaram negar apoio ao orçamento de 2011, o que poderá colocar em risco o pacote de resgate europeu, que determina um rígido corte de gastos.

Além disso, os verdes, também parceiros na coalizão governamental, se disseram a favor de novas eleições para janeiro próximo. “As pessoas se sentem enganadas e traídas”, afirmou o presidente dos verdes irlandeses, John Gormley.

Reivindicação europeia

A União Europeia (UE), os países da zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI) reivindicaram nesta segunda-feira, por sua vez, que Dublin reestruture seu sistema bancário em crise, enxugue seu orçamento e aumente impostos, como condição para o empréstimo de resgate financeiro.

Um dos principais motivos de críticas é o imposto sobre corporações, que na Irlanda é de 12,5%, o mais baixo de todos os países industrializados da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Muitos países-membros da UE acusam a Irlanda de "dumping" na competição internacional para atrair empresas ao país.

No entanto, Dublin continua resistindo, apesar de os bilhões injetados pelo governo irlandês nos bancos em dificuldades terem levado o orçamento público ao limite de sustentabilidade financeira. O ministro irlandês das Finanças, Brian Lenihan, voltou a desmentir especulações de que seu país esteja à beira de falência.

Crise interna ameaça governo

Após o entusiasmo inicial com o pedido de ajuda da Irlanda, a iminente crise política no país aumentou o nervosismo dos mercados. O euro caiu sensivelmente e as bolsas europeias apresentaram queda, assim como as ações de bancos irlandeses.

Os detalhes sobre o pacote de resgate serão tema de negociações em Dublin com um grupo de peritos da UE, dos países da zona do euro e do FMI. O comissário de Assuntos Monetários da UE, Olli Rehn, afirmou que as negociações poderiam durar até o final de novembro.

Ajuda não ultrapassaria os 100 bilhões de euros

"Vamos consultar os nossos amigos irlandeses sobre os passos futuros", disse o representante da Alemanha, Werner Hoyer, vice-ministro no Ministério do Exterior. O montante exato do crédito a ser disponibilizado para a Irlanda ainda não é conhecido. "Há uma margem que é possível", disse Hoyer. O governo irlandês havia falado em uma quantia "abaixo dos 100 bilhões de euros".

Irland Defizit NO FLASH

Ajuda bilionária a bancos obrigou Dublin a recorrer ao pacote de resgate para evitar o colapso

Em entrevista à TV, o ministro do Exterior alemão, Guido Westerwelle, elogiou as medidas a serem tomadas pela UE. "Podemos dizer claramente que a notícia não nos pega desprevenidos, como ocorreu no início do ano com a Grécia", afirmou.

Por sua vez, o ministro alemão da Economia, Rainer Brüderle, pede à Irlanda que faça esforços consequentes, para que a economia do país se torne mais competitiva. Ele afirmou, ainda, não ter dúvidas de que isso será conseguido e também não vê perigo para a economia alemã.

Governo britânico prometeu auxílio

Uma oferta de ajuda para a Irlanda veio do país vizinho. O ministro britânico das Finanças, George Osborne, garantiu que seu governo auxiliará a Irlanda com bilhões adicionais. Foi mencionada uma assistência bilateral de cerca de sete bilhões de libras.

O presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, deixou claro que não existe atualmente outra alternativa para a Irlanda. Ele afirmou, em entrevista a uma rádio alemã, que se os irlandeses não cortarem nos próximos quatro anos cerca de 15 bilhões de euros de seu orçamento, conforme planejado, não será possível uma ajuda à Irlanda. Ele ressaltou, no entanto, que os irlandeses estão dispostos a fazer tal esforço.

Muitos bancos irlandeses enfrentaram sérias dificuldades devido à crise financeira e imobiliária, tendo que receber empréstimos bilionários do Estado irlandês e do Banco Central Europeu. O orçamento irlandês explodiu devido à crise bancária e seu déficit ultrapassou, neste ano, em mais de dez vezes o limite de 3% do PIB estipulado pelo Tratado de Maastricht.

Devido ao pacote de resgate, os irlandeses têm que se preparar para um período de sacrifícios e cortes drásticos no sistema de seguridade social.

MD/rtr/dpa/dapd
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais