Prêmio visa ampliar conceito de ″literatura internacional″ na Alemanha | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 30.09.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Prêmio visa ampliar conceito de "literatura internacional" na Alemanha

Prêmio de Literatura Internacional visa aumentar a presença de autores da África, Ásia e América Latina no mercado alemão e mostrar o que o conceito de "literatura internacional" pode realmente significar.

default

Premiação incentiva leitores a experimentar literatura de fora da Europa e dos EUA

O termo "literatura internacional" é usado frequentemente para definir livros de autores norte-americanos ou europeus. Ampliar essa percepção limitada é o objetivo da Casa das Culturas do Mundo e da fundação Elementarteilchen, de Hamburgo, com a criação no novo Prêmio de Literatura Internacional. Ele será entregue em Berlim nesta quarta-feira (30/9), destinando-se a obras narrativas traduzidas pela primeira vez para o alemão.

A iniciativa pretende dar visibilidade a vozes literárias da Ásia, África ou América Latina, e assim contribuir para uma compreensão completa do que seja "literatura global". Pois, no momento, o mercado literário alemão ainda tem muito o que aprender sobre o assunto.

"A forma específica da literatura europeia e norte-americana tanto a tantos leitores de uma maneira tão forte, que para a maioria é realmente trabalhoso penetrar em outros tipos de literatura", diz Barbara Klefischer, dona da livraria Bittner, da cidade de Colônia.

Ela é responsável pelo abastecimento da seção de literatura não-europeia, e, em sua livraria, diferente da maioria, os livros de autores africanos, asiáticos ou latino-americanos são não só numerosos como apresentados em seções separadas.

Assim ela procura chamar a atenção dos leitores para a grande oferta de traduções para o alemão, que, sem receber um destaque especial, acabam se perdendo em meio à gigantesca oferta.

República democrática da literatura internacional

Nagib Machfus mit Zigarette

Naguib Mahfouz, Nobel de Literatura lançado na Alemanha na década de 80

O interesse pela literatura não-europeia na década de 1970 era motivado principalmente por questões políticas. A qualidade literária dos produtos ficava em segundo plano. Assim, até 1980 muitos grandes autores da África, Ásia, dos círculos árabe e caribenho ainda não haviam sido traduzidos para o alemão. Um nicho que aproveitou a editora Zürcher Unionsverlag, ainda jovem na época.

A meta do fundador da editora, Lucien Leitess, era criar "um tipo de república democrática da literatura mundial, independente da origem, da língua e do estilo". Leitess queria que os grandes autores contemporâneos de todo o mundo recebessem tratamento igualitário. Ele acabou se tornando um indicador de tendências, com faro para autores em ascensão.

A Unionsverlag lançou em meados de 1980 a primeira tradução para o alemão do escritor egípcio Nagib Machfus. Em 1988 ele recebeu o Prêmio Nobel de Literatura por seus grandes romances situados na cidade do Cairo – como primeiro, e até então único, autor de língua arábica.

Machfus é também um exemplo do efeito mercadológico de um prêmio de literatura. Em três anos, a Unionsverlag havia vendido apenas 300 exemplares dos romances de Machfus. No dia da entrega do Prêmio Nobel, eram 30 mil.

Mediar diferenças é trabalho duro

Gabriel Garcia Marquez

Nomes de peso como Gabriel García Márquez abrem portas para novos escritores latinos

O sucesso de um único autor pode despertar a curiosidade sobre a literatura de uma grande região, embora haja diferenças específicas de cada país. É o que acredita Monika Bilstein, chefe da editora Peter Hammer, na cidade de Wuppertal, uma das primeiras a trazer para o mercado alemão livros de autores africanos e latino-americanos. Segundo ela, a literatura latino-americana em geral se beneficiou muito de grandes nomes como Gabriel García Márquez, Isabel Allende ou Mario Vargas Llosa.

Conhecidos no mercado literário alemão, esses autores atingem grandes tiragens, e "isso deu visível vantagem aos jovens autores latino-americanos nos anos seguintes", diz Bilstein.

Para os autores africanos, infelizmente, não funciona da mesma forma. Mesmo os nomes mais famosos, segundo Bilstein, são "para muitos totalmente desconhecidos, e as novas gerações têm muita dificuldade para começar".

Quanto mais estranho parece o país ou a cultura, mais difícil é divulgar sua literatura na Alemanha, como observa Barbara Klefisch, da livraria Bittner. "Mesmo entre as pessoas mais abertas, que estão dispostas a explorar muitas novidades, a literatura não-europeia fica sempre um pouco de fora."

E no entanto, justamente vindos de partes do mundo aparentemente tão distantes, tomam a palavra autores que muito têm a dizer sobre as mudanças no mundo globalizado. São experiências de migração e exílio e as transformações que estes causam nas identidades culturais. Portanto chegou a hora de chamar a atenção para essas novas vozes literárias, através de um novo prêmio de literatura.

Autora: Christel Wester (ff)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais