Prêmio da Paz vai para o escritor israelense David Grossman | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 11.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Prêmio da Paz vai para o escritor israelense David Grossman

O tradicional Prêmio concedido pelo Comércio Livreiro Alemão será entregue em 2010 ao escritor israelense David Grossman, homenageado por seus esforços em prol da paz no Oriente Médio.

default

Para além dos cânones literários, David Grossman é reconhecido por seu engajamento pessoal no movimento "Paz Agora", cuja postura é de crítica ao governo israelense. Desde 1993, o escritor, hoje com 56 anos, é responsável por comentários e colunas regulares acerca dos conflitos que assolam o Oriente Médio.

Entender o pensamento do outro

O júri do Prêmio da Paz, concedido pelo Comércio Livreiro Alemão, salienta que os romances e ensaios de Grossman mantêm uma postura equilibrada e justa frente aos dois lados envolvidos no conflito entre palestinos e israelenses.

"Quando escrevo um texto literário sobre a situação política, tento sempre abarcar toda a situação sob ambas as perspectivas. Não posso contemplar o mundo através de uma ótica estreita. Isso não é fácil, porque, às vezes, você se vê através dos olhos do inimigo. E aí você percebe o quão degenerado você está. Isso nos dá a consciência da deformação do nosso caráter, da nossa sociedade, da nossa nação", descreve o escritor.

Grossman está convencido de ter sido agraciado com o Prêmio da Paz na Alemanha apenas em função de seu último livro, intitulado A mulher foge (tradução brasileira pela Companhia das Letras), história impressionante da personagem Orah sobre seu filho, que participa por vontade própria de uma missão militar na Cisjordânia.

A mãe, na narrativa, tem esperanças de poder evitar o destino trágico do filho ou, caso algo fatal aconteça, de que a notícia da morte não chegue até ela. O livro, considerado um protesto literário contra a guerra, mostra como o destino das pessoas está intimamente ligado à política em Israel.

Dar voz à vida em comum

Buchcover David Grossman Eine Frau flieht vor einer Nachricht

Edição alemã de 'A mulher foge'

Grossman, também considerado um dos jornalistas mais influentes de seu país, tornou-se conhecido internacionalmente em 1988 pela publicação de uma série de reportagens intitulada O vento amarelo, sobre as relações entre israelenses e árabes, e por ter se negado a aceitar que ali fossem censurados seus relatos sobre a declaração de independência dos palestinos.

Em consequência disso, Grossman foi demitido sumariamente e trabalha desde então como escritor autônomo, concentrando-se em seus romances e livros infantis. Seus temas giram muitas vezes em torno das interseções entre a política e os destinos pessoais e do medo das consequências das divergências políticas para a própria existência.

Em seus ensaios, o escritor continua reagindo aos acontecimentos atuais, muitos deles permeados pela violência, como os conflitos recentes na costa da Faixa de Gaza. "A impressão imediata é a de que as chances de paz são mínimas. As pessoas são muito hostis e desconfiadas, elas suspeitam absolutamente umas das outras. Mas a história mostra que até os piores inimigos no fim podem selar a paz", acredita Grossman.

Força da literatura?

O escritor diz que se mantém "realista" frente à dúvida quanto à força de seus livros. "É claro que não acredito que, quando escrevo um artigo sobre a paz, na manhã seguinte o Benjamin Netanyahu vai sair correndo e selar a paz. Mas estou convencido de que formulo algumas coisas de uma forma que muita gente não formularia. E espero que as pessoas se comovam com isso e não voltem a seus clichês de costume", diz Grossman.

Pelo menos o sucesso literário já lhe dá razão. Os romances, ensaios, contos e livros infantis do escritor foram traduzidos para mais de 30 idiomas e receberam várias premiações, entre estas os prêmios Nelly-Sachs, Manès Sperber e Irmãos Scholl.

O Prêmio do Comércio Livreiro Alemão será entregue a Grossman no próximo 10 de outubro, em cerimônia que tradicionalmente encerra a Feira do Livro de Frankfurt.

Autora: Gudrun Stegen (sv)

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais