1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2014

Posição de Marina para segundo turno segue indefinida

Após reunião, executiva da Rede Sustentabilidade defende não continuidade do governo atual e mudança qualificada. Ex-senadora só deve, porém, anunciar um possível apoio nesta quinta-feira.

A ex-candidata à Presidência da República, Marina Silva (PSB), disse, em nota nesta terça-feira (07/10), que o anúncio sobre possíveis apoios no segundo turno das eleições presidenciais seria feito apenas nesta quinta-feira, depois que as lideranças dos partidos aliados conseguissem costurar um entendimento.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, em reunião realizada na noite desta terça-feira, a executiva da Rede Sustentabilidade, grupo político que leva o nome da legenda que a ambientalista pretende criar, decidiu pela "não continuidade do governo" e por "uma mudança qualificada".

De acordo com a Folha, a executiva, que tem 24 membros, teria dado "aval para que a ambientalista confirme a tendência anunciada de apoio à candidatura de Aécio Neves (PSDB)". Já o jornal O Globo, afirma que, na reunião de quatro horas da noite desta terça, foi defendida uma mudança em relação ao atual governo, porém, "sem citar de forma explícita o indicativo de voto no tucano".

A reunião foi realizada por teleconferência e contou com a participação de Marina, que, segundo O Globo, "deixou claro que não seguirá necessariamente o que indicar a Rede". Marina tentou fundar o partido Rede Sustentabilidade no ano passado, mas teve o registro negado pela Justiça Eleitoral.

A decisão desta terça seria submetida ao diretório da Rede, composto por 120 pessoas, nesta quarta-feira, disse o coordenador geral da campanha de Marina, Walter Feldman, citado pela Folha. Os partidos da coligação Unidos pelo Brasil também devem se reunir nesta quarta, em Brasília, para discutir os critérios que irão balizar a escolha do grupo, segundo Marina.

Na nota emitida antes da reunião nesta terça, a ex-senadora havia dito que os resultados das eleições refletiram a insatisfação dos brasileiros com as atuais condições do país. Marina disse ainda respeitar as opiniões isoladas de cada partido, dirigentes e líderes, mas ressaltou que essas posições "não refletem em nenhuma hipótese" a sua opinião.

Citada pela imprensa, Marina teria dito também que um possível apoio deve ser fechado com base em projetos comuns. Entre os pontos de convergência entre a ambientalista e Aécio estão a reforma política, com o fim do direito à reeleição, e ampliação do mandato presidencial para cinco anos, além da redução do aparelho estatal e da reforma tributária.

De acordo com os assessores de Marina, entre as "exigências" negociadas figuram a inclusão de políticas de sustentabilidade e educação integral.

Em 2010, Marina também ficou em terceiro lugar no primeiro turno das eleições presidenciais. Após tentar negociar tanto com a então candidata Dilma Rousseff (PT), quanto com seu opositor José Serra (PSDB), a ambientalista optou pela neutralidade.

LPF/abr/lusa

Leia mais