1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Portas abertas para qualquer vírus

A polícia alemã descobriu e prendeu o autor do vírus "Sasser", um escolar de 18 anos. Mas seu ataque à rede de computadores deixou claro que os usuários de micro negligenciam regras elementares de segurança.

default

Vírus no micro pode provocar dor de cabeça

Eles são chamados de "Slammer", "Blaster" ou "Sasser". Não é raro que sejam programados por universitários ou escolares. E, quanto à tecnologia de programação, são considerados medíocres pelos especialistas do setor. Ainda assim, os vírus eletrônicos causam prejuízos bilionários nos países industrializados.

Na semana passada, foi o verme "Sasser" que se espalhou pelo mundo. Com conseqüências graves. A British Airways sofreu atrasos de várias horas nos seus vôos. O banco Sampo, na Finlândia, preferiu fechar provisoriamente todas as suas 130 agências, pois o sistema antivírus da sua rede interna de computadores não tinha sido atualizado a tempo. Na sede da União Européia, em Bruxelas, 1200 computadores foram infectados, paralisando inteiramente os trabalhos da Comissão da UE. A guarda costeira britânica teve de recorrer novamente aos mapas impressos, pois sua rede eletrônica teve de ser desligada.

O "terrorista cibernético" que lançou o vírus na rede intercontinental de computadores pôde ser descoberto e preso: um colegial de 18 anos de idade, das proximidades de Hanôver. Ele confessou a autoria do ataque. Pouco antes, a polícia estadual da Baixa Saxônia havia revistado a casa dos seus pais, encontrando provas incontestáveis do delito. O escolar foi libertado em seguida, mas terá de responder processo. A pena pode ser de até cinco anos de prisão. À parte de eventuais reclamações de indenização por parte das empresas afetadas.

Espécime inofensivo

Apesar de tudo, "Sasser" é um espécime quase inofensivo dentro do gênero dos vírus e vermes eletrônicos. Mesmo tendo infectado milhões de computadores em todo o mundo, ele não provocou danos diretos. Fez apenas com que os micros infectados se desligassem. "É difícil de calcular o valor dos prejuízos causados, pois nada foi estragado diretamente", afirma Michael Dickopf, do Departamento Federal de Segurança na Técnica da Informação (BSI), "apenas a produtividade das empresas foi atingida e suas redes internas tornaram-se lentas".

Apesar de toda a atenção da imprensa, "Sasser" foi muito menos predatório que muitos dos seus antecessores. "A situação não foi tão dramática como em agosto do ano passado, quando o vírus 'Blaster' espalhou-se pelo mundo", diz Rainer Link, da empresa Trend Micro, que produz programas antivírus. E mesmo este superverme foi relativamente inofensivo, se comparado ao "Love Bug" do ano 2000. Ele provocou um prejuízo total de cerca de nove bilhões de dólares, em todo o mundo, segundo cálculo da empresa Computer Economics.

Mas "Sasser" é traiçoeiro: ele não se espalha através de mensagens do correio eletrônico como a maioria dos seus congêneres. Ele aproveita uma falha de segurança do sistema operacional MS Windows, instalando-se nos micros que acessam a internet, sem que o usuário faça qualquer operação inconsciente para ativá-lo. "Na pior das hipóteses, o micro é infectado 30 segundos após ter acessado a internet", afirma Rainer Link.

Falta de consciência

Principalmente os usuários privados correm o risco de ser vitimados por tais ataques. A única forma de proteger o micro é através da instalação de um patch oferecido no website da Microsoft. Mas, segundo Michael Dickopf do BSI: "À maioria dos usuários privados falta a consciência para as questões de segurança. Eles simplesmente não baixam tais updates."

A maioria das empresas reage geralmente de imediato a tais ameaças. Elas fazem o update de toda a sua rede. Ainda assim, podem surgir problemas, quando o patch que fecha a lacuna de segurança do sistema operacional não é compatível com o programa que administra a rede interna de computadores.

Leia mais