Portal científico promove intercâmbio entre pesquisadores de todo o mundo | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 22.04.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Portal científico promove intercâmbio entre pesquisadores de todo o mundo

Quase 40 milhões de alemães utilizam as grandes redes sociais. Porém há também portais altamente especializados: como o Researchgate, considerado maior rede mundial de pesquisadores. A ideia foi desenvolvida na Alemanha.

default

Internet facilita troca de experiências entre cientistas

Ijad Madisch criou com dois amigos em 2008 o portal de cientistas Researchgate, com escritório em Berlim. Madisch, de 30 anos, teve a ideia enquanto cursava Medicina. Tudo se deveu a um impasse em suas pesquisas: desenvolvimento de ossos para dedos artificiais através do uso de células-tronco.

Ele já não encontrava respostas para suas perguntas, nem no laboratório nem entre pesquisadores próximos. Por isso, resolveu criar uma rede de contatos, onde qualquer pesquisador pudesse apresentar suas aptidões e projetos, e buscar contato com outros.

Saindo da torre de marfim

Mais de 900 mil cientistas e pesquisadores de todo o mundo se cadastraram no portal Researchgate, cujo slogan é "Para fora da torre de marfim científica", explica Madisch. Ecologistas da Noruega trocam informações com sociólogos do Egito, químicos dos Estados Unidos pedem conselhos a matemáticos da Índia, num intercâmbio sem fronteiras.

Ijad Madisch, Gründer des Wissenschaftsnetzwerkes Researchgate

Ijad Madisch, criador do portal

"Oitenta por cento dos trabalhos científicos são experimentos que não dão certo", revela o criador do portal. "Mas no final acaba sendo publicado apenas o que funcionou". O Researchgate, no entanto, também publica artigos científicos sobre experimentos que fracassaram. "Isso evita a repetição de erros e a ciência se torna mais rápida e eficiente".

Sem propaganda

Para fundar o portal, Madisch recebeu dinheiro de empresas do chamado Silicon Valley, da Califórnia. "No início, todos se mostraram bem mais céticos na Alemanha. Nos Estados Unidos, tais projetos incomuns têm mais chances de receber apoio", explica o médico de origem síria com formação na Universidade de Harvard.

Ao contrário de redes sociais como Orkut ou Facebook, o Researchgate não permite anúncios comerciais, e os dados dos pesquisadores também não são passados adiante. "Nós nos financiamos, entre outras coisas, com uma bolsa de empregos na área científica. Para os pesquisadores ela é gratuita, enquanto as empresas têm de pagar os anúncios". Além disso, o portal monta redes privadas para instituições de pesquisa como a Sociedade Max Planck.

Para o bioquímico Tim Hucho, de 40 anos, trata-se de uma plataforma "de" e "para" pesquisadores. Ele faz pesquisas sobre a dor e usa o portal há mais de dois anos. Além disso, dirige uma rede com vários grupos de trabalho.

"O Researchgate é bastante prático quando se quer disponibilizar dados laboratoriais importantes ou informações sobre encontros", explica Hucho. "Normalmente, artigos especializados são disponibilizados apenas em publicações famosas, que custam bastante dinheiro", conta. Por isso, ele acredita que o Researchgate é muito interessante para pesquisadores de países em desenvolvimento.

Usuários jovens

Mesmo assim, Hucho não acha que o portal seja concorrente das publicações especializadas, pois a clientela é, em primeira linha, jovem. Cientistas conhecidos preferem os veículos tradicionais.

Hucho acha desnecessário fazer controles para averiguar a honestidade dos trabalhos apresentados no portal, ou para identificar charlatães. "A rede se autorregula. Com qual professor alguém estudou? Quais são os trabalhos que publicou? Com estas perguntas se separa rapidamente o joio do trigo", explica.

Além disso, cada pesquisador pode comentar os trabalhos dos outros, acrescenta Madisch, que abandonou a Medicina para se dedicar ao portal de pesquisadores. Mas mesmo assim continua sonhando com um Nobel. Não o de pesquisas incomuns, e sim por ter montado uma gigantesca rede de cientistas. Essa categoria de prêmio, no entanto, ainda tem de ser criada.

Autora: Aygül Cizmecioglu (rw)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais

Links externos