1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Porsche quer aumentar sua participação na Volkswagen

Porsche anuncia aumento de sua participação na Volkswagen e gera especulações sobre possível incorporação da maior montadora da Europa.

default

Volkswagen será abocanhada pela Porsche?

A montadora alemã Porsche anunciou neste sábado (24/03) que lançará uma oferta de aquisição obrigatória pelos papéis da Volkswagen, ao valor de 100,92 euros por ação ordinária, para aumentar sua participação na companhia de 27,4% para 31%.

Segundo a legislação alemã, uma companhia é obrigada a apresentar uma oferta sobre outra empresa quando sua participação supera 30% do capital com direito a voto.

O presidente da Volks, Martin Winterkorn, disse que "uma estrutura acionária estável é muito importante para o negócio automobilístico a longo prazo. A participação ampliada também contribui para garantir nossa cooperação", afirmou.

A Porsche vai usar uma opção que tinha para comprar um pacote acionário de até 3,7% das ações ordinárias da Volkswagen. Em função dos rumores sobre o negócio, as ações da Volkswagen já haviam subido 6,23%, para 117,70 euros na sexta-feira na Bolsa de Frankfurt.

A mídia alemã especula que a Porsche pode estar a caminho de incorporar a Volkswagen, o que foi negado pela empresa. A Porsche explicou que, com a compra, é previsto o desaparecimento da chamada "Lei Volkswagen", que limita os direitos de voto de um acionista em 20%, mesmo que ele tenha uma participação que exceda essa porcentagem.

A "Lei Volkswagen" assegura ao Estado federado da Baixa Saxônia, o direito de voto majoritário sobre os demais acionistas, ao que a União Européia se opõe, por considerar que não respeita a livre circulação de capitais.

Christian Wulff, governador da Baixa Saxônia, estado que detém 20,5% das ações da Volks, saudou os planos da Porsche. "Diante das exigências internacionais, é uma bênção que a Volkswagen tenha dois sócios [Porsche e o estado da Baixa Saxônia] confiáveis", afirmou. (gh)

Leia mais