1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Poroshenko pede apoio militar aos EUA

Ucrânia necessita de equipamentos militares, incluindo armamentos, afirma presidente perante o Congresso americano. Anexação da Crimeia foi "um ato cínico de traição".

default

Poroshenko disse que o governo ucraniano não aceitará jamais a anexação da Crimeia ao território russo

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, pediu aos Estados Unidos nesta quinta-feira (18/09) apoio militar para combater os separatistas pró-russos. Num discurso na Casa Branca, em Washington, ele afirmou que a Rússia é uma ameaça à segurança mundial. "Se eles não forem contidos agora, vão atravessar as fronteiras da Europa e espalhar seu domínio pelo globo", afirmou.

Várias vezes interrompido por aplausos, Poroshenko disse que a Ucrânia precisa de armamentos e de laços mais estreitos com a Otan. Ele também falou sobre a necessidade de maiores sanções à Rússia. "Os soldados precisam de apoio político, além de equipamentos militares, tanto letais quanto não letais", afirmou a membros do Senado e da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. "Cobertores e óculos de visão noturna são importantes, mas não se ganha a guerra com cobertores."

Poroshenko declarou que a anexação da Crimeia ao território russo foi "um dos atos mais cínicos de traição da história moderna", que mergulhou a Europa na pior crise das últimas décadas, disse, acrescentando que "de forma nenhuma, a nenhum preço e em condição alguma", o governo em Kiev vai aceitar a ocupação. "Assim como Israel, a Ucrânia tem o direito de defender seu território."

Essa foi a primeira visita de Poroshenko aos Estados Unidos desde que foi eleito presidente da Ucrânia, em maio deste ano. O discurso no Congresso serviu para mostrar o apoio dos EUA ao novo governo da Ucrânia, que procura aprofundar os laços com o Ocidente.

Ajuda não-letal

Poroshenko vai se encontrar mais tarde com o presidente dos EUA, Barack Obama, que resiste em fornecer material letal à Ucrânia. Obama vai oferecer a Poroshenko o envio de equipamentos de segurança no valor de 46 milhões de dólares para as Forças Armadas do país. O pacote inclui radares para detectar disparos de artilharia e veículos e barcos de patrulha blindados.

Além da assistência militar, o governo dos EUA ofereceu 7 milhões de dólares a organizações humanitárias que prestam ajuda a pessoas afetadas pelo conflito no leste da Ucrânia.

O Exército ucraniano e os separatistas pró-russos disputam o controle de cidades do leste da Ucrânia, na fronteira com o país vizinho. O Parlamento ucraniano aprovou uma lei que garante mais autonomia às regiões separatistas, mas os rebeldes reivindicam independência total. Apesar de um acordo de cessar-fogo, vários conflitos entre separatistas e tropas do governo aconteceram nos últimos dias.

KG/ap/rtr/afp/lusa

Leia mais