1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Por uma Europa mais forte

Em discurso no Parlamento, Gerhard Schröder defendeu uma política externa e de segurança comum que fortaleça a União Européia no cenário internacional: a lição da crise que antecedeu a guerra do Iraque.

default

Gerhard Schröder fala ao Parlamento

A declaração do chanceler federal Gerhard Schröder perante o Bundestag, nesta quinta-feira (03/04), teve dois fios condutores: a defesa de um reforço da política externa e de segurança da União Européia, que coloque a Europa em condição de assumir maior responsabilidade; e a confirmação da relevância que as organizações multilaterais como a ONU e a Otan continuam tendo no atual cenário internacional.

É preciso que a Europa volte a estar em condições de falar com uma só voz, declarou o chefe de governo. O desenvolvimento de uma nova política externa e de segurança da comunidade deve incluir impreterivelmente a participação do Reino Unido, acrescentou.

Um dos primeiros passos para a concretização dessa visão seria refletir sobre a possibilidade de enviar tropas européias — e não nacionais — para a participação em missões internacionais da ONU. A atual primeira missão conjunta dos europeus na Macedônia é, na opinião de Schröder, o exemplo a ser seguido no futuro, com o objetivo de prevenir guerras.

Planos para o Iraque

As Nações Unidas devem desempenhar o papel central na reestruturação política do Iraque no pós-guerra, defendeu Schröder, acentuando que essa reconstrução significa muito mais que "a restauração de edifícios, poços de petróleo e infra-estrutura".

O estabelecimento de uma ordem democrática e justa no país pressupõe, segundo o chanceler federal, quatro condições:

  • que a integridade territorial e a soberania do Iraque sejam mantidas;
  • que seja atribuída ao povo a determinação de seu futuro político, sob observação dos direitos das minorias que vivem no país;
  • que as reservas de petróleo continuem em posse e sob controle do povo iraquiano e revertam em seu benefício;
  • que se dê impulso a um processo de estabilização política em todo o Oriente Médio.

    Fischer x Straw

    Joschka Fischer und Jack Straw in Berlin

    Fischer e Straw antes do encontro em Berlim dia 2 de abril

    Na busca de uma política externa e de segurança comum para os europeus, a reaproximação com o Reino Unido - após as divergências que se revelaram no conflito do Iraque -desempenha para o governo alemão um papel preponderante. Na noite de quarta-feira (02/04), o ministro das Relações Exteriores, Joschka Fischer, recebeu em Berlim seu colega de pasta britânico, Jack Straw.

    Após o encontro confidencial, Fischer manifestou abertamente a esperança de que a derrocada do regime de Saddam Hussein ocorra "o mais rápido possível", para que "não continuem se perdendo vidas de inocentes". Straw, por sua vez, declarou-se "otimista" quanto à possibilidade de que os europeus encontrem um caminho conjunto para planejar o futuro do Iraque após a guerra.

    Em entrevista ao diário Handelsblatt, Fischer acentuou, da mesma forma que Schröder, que nenhum país seja excluído no processo de estruturação da política externa e de segurança européia, "muito menos os britânicos". Ao mesmo tempo ele defendeu, porém que, "se necessário", um grupo menor de países comece com debates e negociações que conduzam mais tarde a acordos. O acordo de Schengen, que eliminou o controle nas fronteiras nacionais de alguns países da União Européia, seria um exemplo disso.

    A fim de que a Europa possa desempenhar um papel mais importante no cenário internacional, é indispensável que se reflita a respeito de um aumento dos gastos com a defesa, visando principalmente a uma equiparação das estruturas militares, concluiu o ministro.

Leia mais