1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Por um semestre de harmonia

Grécia apresenta metas de trabalho para os seis meses em que exerce a presidência rotativa da União Européia, até junho.

default

Atenas preside UE desde janeiro

Não foi por acaso que a apresentação oficial do programa da Grécia na presidência da União Européia iniciou com uma tradicional dança grega, executada pela Orquestra Jovem da União Européia. Com isso, o governo de Atenas quis simbolizar a importância da harmonia na sua gestão, iniciada neste mês de janeiro.

A principal preocupação no momento, segundo o ministro grego do Exterior, é a busca de um consenso em relação ao Iraque. "Não acho que as posições de britânicos, alemães e franceses sejam tão divergentes. Todos somos de opinião de que as Nações Unidas são um fórum cujo objetivo é o esforço pela paz", opina Georg Papandreou.

"Todos somos contra armas de destruição em massa e achamos que o Iraque é obrigado a cumprir a resolução 1441. Compete à presidência encontrar um senso comum, mas a responsabilidade em mantê-lo é dos 15 países", completa.

Negociações com outros candidatos

Outra questão prioritária da Grécia na chefia da União Européia (UE) é consolidar o caminho para o ingresso dos dez países convidados, durante a cúpula de Copenhague em dezembro, a integrar para a União Européia a partir de 2004. Os acordos neste sentido deverão estar prontos para serem assinados a 16 de abril em Atenas.

O governo grego quer intensificar desde já as relações com a Romênia e a Bulgária, cujo ingresso na comunidade está previsto para 2007. Uma atenção especial é dedicada à Turquia, que está, por assim dizer, "em observação" até o final de 2004 e tem na Grécia uma grande defensora.

A aproximação com as vizinhas Albânia e Iugoslávia é outro objetivo. A tradição dos Bálcãs não se resume a guerras e conflitos étnicos, ressalta Papandreou, "precisamos integrar a região à federação européia explorando aspectos positivos, como a oferta multicultural da região".

Comando das tropas de paz da OTAN

No tocante à política de segurança e de relações exteriores, durante a gestão da Grécia na presidência rotativa da UE, a força européia de intervenção assumirá suas primeiras missões. Criada em dezembro, ela substituirá soldados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e da ONU como força de paz na Macedônia e na Bósnia, respectivamente.

Além disso, Atenas sugeriu um amplo debate na comunidade dos 15 a respeito de uma indústria armamentista comum e projetos conjuntos para o desenvolvimento de novos sistemas de defesa.

Da mesma forma como as presidências anteriores, também a Grécia vai se ocupar com as conseqüências da má conjuntura econômica, o desemprego crescente e o combate à imigração ilegal, problemas que atingem a maioria dos países da União Européia.

Leia mais