Populistas de direita perdem apoio na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 02.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Populistas de direita perdem apoio na Alemanha

Intenção de voto no partido AfD retorna ao nível de 2015, pré-crise de refugiados, aponta pesquisa. Partido de Merkel e social-democratas voltam a ficar empatados, após breve liderança do SPD.

Cartazes contrários à AfD

Protesto contra a AfD em 2016

A seis meses das eleições gerais na Alemanha, os populistas de direita do partido Alternativa para a Alemanha (AfD) perderam terreno nas intenções de voto, indica uma pesquisa publicada neste domingo (02/04) pelo jornal Bild am Sonntag.

De acordo com a enquete semanal, elaborada pelo instituto TNS Emnid para o jornal, o apoio à AfD caiu mais um ponto percentual, para 8% – mesmo nível de 2015, antes da chegada massiva de refugiados ao país. A legenda utiliza a crise migratória para atacar o governo atual. No ano passado, o partido chegou a contar com 14% das intenções de voto.

Leia mais: A cláusula dos 5% na eleição alemã

A piora nos números da AfD coincide com a ascensão do Partido Social-Democrata (SPD) após a nomeação do ex-presidente do Parlamento Europeu Martin Schulz como candidato à chancelaria federal, em janeiro.

O SPD se manteve com 33% das intenções de voto, empatado com a União Democrata Cristã (CDU), da chanceler federal Angela Merkel, que busca um quarto mandato.

Leia a cobertura completa sobre a eleição na Alemanha em 2017

Em fevereiro, a pesquisa apontou uma leve liderança do SPD em relação à CDU e sua legenda-irmã União Social Cristã (CSU), pela primeira vez em uma década. As duas principais agremiações políticas do país vinham estado empatadas nos últimos anos.

Na pesquisa divulgada neste domingo, o Partido Verde também perdeu um ponto percentual, caindo para 7%, e A Esquerda se manteve com 8%. O Partido Liberal Democrático (FDP) avançou um ponto, para 6% e, assim, garantiria sua volta ao Parlamento após ficar de fora nas últimas eleições.

O TNS Emnid consultou 2.416 pessoas para a pesquisa. As eleições gerais alemãs estão marcadas para o próximo dia 24 de setembro.

LPF/dpa/ots

Leia mais