1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Populismo de direita se fortalece também na Alemanha

Depois da Frente Nacional na França, do Ukip no Reino Unido e do Partido da Liberdade na Áustria, é a vez de a Alemanha ver a consolidação de um partido populista com discurso anti-imigração e eurocético: a AfD.

default

Frauke Petry é a presidente do partido AfD, que está representado em oito dos 16 parlamentos estaduais alemães

Partidos populistas ao estilo da Alternativa para a Alemanha (AfD, na sigla em alemão) estão no poder em cinco países da Europa. Na Polônia e na Hungria, os populistas de viés nacionalista-conservador têm a maioria absoluta no Parlamento. Porém, o campeão nessa categoria é a Grécia, onde um partido populista de esquerda governa em coalizão com um populista de direita. Também na Noruega e na Suíça – que não são membros da União Europeia (UE) – os populistas são parte da coalizão de governo.

Depois das eleições estaduais deste domingo (13/03), a Alemanha ainda está bem longe de ter um partido populista de abrangência nacional. Mas a crise dos refugiados e a crise do euro fortaleceram uma tendência na Europa, e ela se evidencia agora também na Alemanha.

"De forma geral, pode-se dizer que essa falta de solidariedade europeia e a renacionalização da Europa criam tendências que se difundem em vários aspectos. Não é nem necessário olhar para a Europa Central ou Oriental, basta olhar para o Reino Unido", comenta o cientista político Florian Hartleb.

No Reino Unido, o "partido da independência" Ukip conseguiu uma alta votação também nas eleições nacionais e pode ser considerado o verdadeiro motivo para a existência do referendo que o governo britânico convocou sobre a permanência na UE.

Em outros 12 países da União Europeia há populistas de direita nos parlamentos nacionais: desde a Frente Nacional, na França, até o antissemita Ataka, na Bulgária, passando pelo Partido da Liberdade da Áustria – para citar apenas alguns.

Na Alemanha, os populistas de direita estão representados apenas em nível regional, e desde este domingo em oito dos 16 parlamentos estaduais. Porém, em 2014, a AfD conseguiu enviar sete representantes para o Parlamento Europeu. Depois de uma divisão do partido, ainda há dois deputados da legenda por lá. Além disso, o NPD, partido extremista de direita, tem um parlamentar em Estrasburgo.

"A experiência mostra que, na Europa, quando um partido como esse se torna parte do sistema, é muito difícil se livrar dele. Mesmo na Áustria e na Holanda, onde esses partidos sumiram por um tempo, eles foram refundados. Na Alemanha não foi assim por um bom tempo", comenta Hartleb.

Fim da exceção alemã

No início dos anos 1990, o partido alemão Os Republicanos chegou a fazer algum sucesso e entrou em alguns parlamentos estaduais e no Parlamento Europeu. Também naquela época temia-se que a Alemanha estivesse seguindo o que já estava acontecendo em outros países da Europa. Só que Os Republicanos sumiram sem deixar rastros. Em 2001, o populista de direita Roland Schill chegou até mesmo a entrar no governo de Hamburgo, mas, depois de um escândalo, o partido dele desapareceu logo.

Para Hartleb, o destino da AfD pode ser outro. "A AfD tem boas chances porque dois temas –o ceticismo perante o euro e a migração – vão dominar decisivamente o debate político nos próximos anos."

A AfD foi fundada por professores universitários conservadores, no rastro da crise do euro, e radicais nacionalistas assumiram o comando do partido durante a crise migratória. Também na Alemanha, a xenofobia se torna cada vez mais presente na sociedade por causa do medo perante os refugiados. Esse tabu já foi quebrado antes por outros partidos na Europa. A AfD está fazendo agora o mesmo na Alemanha, diz Hartleb. "Essa situação mudou radicalmente com a crise dos refugiados."

Numa análise de novembro de 2015, o pesquisador Werner T. Bauer concluiu que a Alemanha era relativamente imune ao populismo de direta no campo nacional. Para ele, as eleições estaduais ofereciam uma válvula de escape para o voto de protesto de eleitores decepcionados com os partidos tradicionais. Essa exceção alemã parece estar acabando. Para Hartleb, a AfD pode agora repetir na Alemanha o sucesso da Front Nacional na França e do Partido da Liberdade na Áustria. Esses partidos conquistaram até 20% dos eleitores.

Depois da crise dos refugiados, a AfD vai, à semelhança da Frente Nacional, investir com mais força na segregação do islã político e da migração muçulmana. A força motriz por trás dessa orientação é a eurodeputada Beatrix von Storch, afirma a revista Der Spiegel. "O euro e os refugiados estão desgastados e não trazem nada de novo", escreveu ela a colegas de partido, num e-mail confidencial revelado pelo semanário.

"Foi um dia difícil para a CDU", diz Merkel

Leia mais